UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

18/09/2009 - 12h21

Juros futuros ajustam para baixo na BM & F

SÃO PAULO - Depois do forte acúmulo de prêmio de risco registrado no decorrer da semana, a sexta-feira é de ajuste no mercado de juros futuros. O desmanche de posições compradas está concentrado nos vencimentos longos, que subiram conforme a divulgação de melhores dados sobre a economia americana e brasileira. Há pouco, na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2011 caía 0,04 ponto, projetando 9,86%. Janeiro de 2012 recuava 0,09 ponto, a 11,16%. E janeiro de 2013 também perdia 0,09 ponto, a 11,83%.

Na parte curta da curva, o DI com vencimento em janeiro de 2010 apontava 8,66%, sem alteração. Julho de 2010 opera estável a 8,99%. E outubro de 2009 também marcava estabilidade a 8,64%.

Segundo o economista-chefe da Consultoria UpTrend, Jason Vieira, apesar do leve ajuste na curva futura, a premissa de melhora econômica e mudança no viés de política monetária em âmbito global permanece.

Na avaliação de Vieira, os acontecimentos da semana deram nova cara ao mercado de juros. O fim da política monetária expansionista, que era tratada como perspectiva, agora virou certeza. Os dados de inflação, varejo e produção nos EUA construíram essa nova avaliação. Pelo lado doméstico, os dados de empregos ajudaram a reforçar a visão de crescimento mais rápido da economia e variação positiva do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009.

A questão agora é o prazo, ou seja, quando os BCs devem fazer o primeiro aperto monetário. No front doméstico, por ora, a perspectiva continua sendo de estabilidade da taxa Selic até meados do ano que vem.

Na agenda do dia, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou o índice Geral de Preços-10 (IGP-10). O indicador mostrou inflação de 0,35% em setembro, revertendo variação negativa de 0,60% observada em agosto.

O resultado não fugiu muito do range das expectativas e refletiu o aumento dos preços no atacado, que reverteram deflação de 1,04% para inflação de 0,46%.

(Eduardo Campos | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host