UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

29/09/2009 - 15h30

Aumento salarial é positivo para a economia, avalia Dieese

SÃO PAULO - O processo de crescimento da massa salarial que vem sendo verificado no Brasil é classificado como positivo pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). "Vejo um ciclo virtuoso no aumento da massa salarial. Há um chororô de alguns setores, devido ao aumento no custo da mão-de-obra, mas isso é normal", afirma o economista da instituição, Sérgio Mendonça. No começo da semana, o presidente da Federação das Indústrias do Estados de São Paulo (Fiesp) e da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, demonstrou preocupação com os aumentos nos salários dos brasileiros, considerando-os "um exagero se comparado ao resto do mundo". Para ele, a "questão salarial será uma bomba de efeito retardado. Se nós não cuidarmos, teremos grandes problemas no curtíssimo prazo", disse. A Pesquisa de Emprego e Desemprego do Dieese, divulgada nesta quarta-feira, mostra que o rendimento médio real (descontada a inflação) dos ocupados em sete regiões do país subiu 1,8% em julho, chegando a R$ 1.289. Para os assalariados, o incremento foi de 1,5%, com a renda atingindo R$ 1.340. A massa salarial cresceu 1,9% para os ocupados e 1,4% para os assalariados, "refletindo aumento do rendimento médio real, uma vez que o nível de ocupação permaneceu relativamente estável". A expansão da renda, argumenta Mendonça, impulsiona o consumo, induzindo o aumento em investimentos e podendo levar a um crescimento nas importações . "Isso poderia ter algum impacto sobre o balanço de pagamentos, mas há outros pontos a se considerar para equilibrar essa equação", diz.

Segundo o economista do Dieese, o Brasil só vai conseguir elevar significativamente o consumo com aumento da massa salarial. Essa mudança obriga as empresas a se preocuparem com qualificação e retenção de profissionais, questões até então pouco consideradas devido à farta oferta de mão-de-obra. "É preciso ter em mente que taxa de lucro não é imutável. A questão é que os juros no Brasil são altos e a carga tributária, pesada. Isso acaba empurrando para cima a taxa mínima de lucro para que o negócio seja viável", avalia.

Mendonça também ressalta que, apesar da melhora nas condições de emprego e renda, o Brasil ainda está muito longe das condições apresentadas pelas grandes potências. De acordo com ele, a massa salarial nos países desenvolvidos varia de 60% a 70% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto no Brasil, gira em torno de 40%.

Atualmente, a renda média dos trabalhadores de São Paulo é mais baixa que a verificada dez anos atrás. Em julho, o rendimento real dos trabalhadores foi de R$ 1.353, valor 16% inferior aos R$ 1.604 registrados em julho de 2000. "Não dá pra dizer que há excessos salariais", conclui o economista. (Francine De Lorenzo | Valor)
Hospedagem: UOL Host