UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

06/10/2009 - 10h45

BNDESPar e gestora de fundos CRP compram 12,5% da editora gaúcha Artmed

SÃO PAULO - Após um ano de espera, por causa da crise econômica que eclodiu em setembro de 2008 às vésperas da assinatura do contrato, a editora Artmed fechou negócio com a BNDESPar e com a gestora de fundos de private equity CRP, que compraram, respectivamente, 10% e 2,5% do capital da editora gaúcha.

" Com os aportes que recebemos, vamos investir R$ 50 milhões nos próximos cinco anos em aquisições e crescimento orgânico " , disse Celso Kiperman, diretor e filho do fundador da Artmed, que atua nos segmentos de livros técnicos, científicos e profissionais (CTP). Kiperman já está em negociações avançadas para a compra de uma editora concorrente. O negócio pode ser concluído em 30 dias.

A operação marca ainda a entrada da BNDESPar, subsidiária do BNDES, no mercado editorial. Até então, as operações envolvendo o banco de fomento se restringiam aos financiamentos concedidos a editoras.

"Um dos fatores que nos motivaram a investir nesse segmento é que a Artmed é uma editora que produz livros didáticos, está ligada diretamente ao ensino", explicou Jorge Eduardo Moraes, chefe da área de Capital Empreendedor do BNDES.

A editora também recebeu aporte do fundo de private equity CRP VI, que adquiriu 2,5% do capital.

"Trabalhamos com a Artmed há seis anos como consultores. Desde 2003, eles têm uma gestão profissionalizada e crescimento constante na receita", disse Dalton Schmitt Junior, diretor executivo da gestora CRP, de Porto Alegre.

A receita líquida da Artmed, que já foi alvo de interesse de outras empresas do setor, saltou de R$ 25 milhões em 2003 para R$ 73 milhões, previstos para esse ano. Em 2010, a editora projeta uma receita de R$ 100 milhões.

Hoje, o principal concorrente da Artmed é o Grupo GEN, que reúne seis editoras da área e fatura em torno de R$ 100 milhões por ano. Em 2008, o GEN contratou um empréstimo de R$ 18 milhões com o fundo mezanino NEO, administrado pelo banco Itaú. Esses recursos também serão usados para comprar concorrentes.

A Artmed e o Grupo GEN vêm despertando interesse de investidores porque ambas fazem parte de um dos segmentos que mais crescem no mercado editorial - só perdendo para as publicações religiosas.

Em 2008, a área de livros científicos, técnicos e profissionais teve faturamento de R$ 472 milhões, o que representa uma alta de 13,5%. Nesse mesmo período, o mercado editorial cresceu 6,5%, segundo a Câmara Brasileira do Livro (CBL).

(Beth Koike | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host