UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

06/10/2009 - 09h06

ONU deve balizar debate sobre clima, diz Lula

ESTOCOLMO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem que cada país precisa assumir a sua responsabilidade na luta contra as mudanças climáticas, reivindicando que a Organização das Nações Unidas (ONU) seja a referência internacional para o balizamento dos números envolvidos na discussão, como o volume que cada nação emite de gases do efeito estufa. " Desse modo, você sabe a responsabilidade de cada um, vai saber quanto cada um terá de fazer de reflorestamento ou quanto vai ter de reduzir de emissões " , disse Lula, ao chegar ontem em Estocolmo, onde participa hoje da 3ª Cúpula Brasil -União Europeia (UE), reunião em que a questão ambiental será um dos pontos centrais em discussão.

Lula voltou a insistir que o combate às mudanças climáticas não pode passar pelo sacrifício do desenvolvimento das nações mais pobres. " Os países ricos não podem achar que os países pobres tem que continuar pobres e preservar suas florestas, enquanto eles continuam crescendo e construindo muito. É preciso que haja possibilidade de os países pobres se desenvolverem " , disse. Segundo Lula, trata-se de uma " discussão mais profunda " , que o Brasil fará " com maturidade " . " De uma coisa todo mundo tem certeza: é preciso recuperar a qualidade de vida no planeta, e aí nós temos que diminuir as emissões e estamos dispostos a fazer isso " . O presidente brasileiro afirmou que a posição brasileira a ser levada para a cúpula do clima, marcada para Copenhague, em dezembro, " está sendo construída " . " Nós temos muita gente trabalhando nisso. O Ministério do Meio Ambiente, o Itamaraty, o companheiro Pinguelli (Luiz Pinguelli Rosa), que coordena a comissão nacional sobre clima, e a própria companheira Dilma (Rousseff, ministra da Casa Civil) " , disse Lula, lembrando que o país já teve encontros com países como a França e já discutiu o assunto no âmbito do G-20 (os 19 países mais industrializados do mundo mais a UE). Ele se mostrou disposto inclusive a ir a Copenhague, caso outros presidentes compareçam à cúpula do clima em dezembro. " Se os presidentes vierem, eu estarei em Copenhague com a minha delegação para não apenas mostrar o que estamos fazendo na Amazônia, o zoneamento agroecológico, mas também o que nós achamos que os outros têm que fazer. " Lula aproveitou também para dizer que chegou a hora de o Brasil obter um assento permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), depois de comentar a escolha do Rio de Janeiro para sediar a Olimpíada de 2016. " Acho que foi uma conquista muito bonita (o direito de organizar os Jogos Olímpicos). O Brasil merecia e agora vamos ver se a gente tem outras conquistas. Eu ainda acho que o Brasil precisa conquistar o Conselho de Segurança das Nações Unidas. " Para Lula, é uma questão que está muito madura. " Acho que é uma questão de tempo. Eu quero ver se a gente conquista porque aí a gente vai democratizar a ONU, vai ser melhor para o mundo e vai ser bom para o Brasil " , disse ele, ressalvando, porém, que " de qualquer forma nós temos que ir devagar nisso " , para não despertar ciúme ou uma disputa desnecessária. Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido são os cinco membros permanentes do conselho de segurança, que tem ainda dez integrantes rotativos, eleitos a cada dois anos.

(Sergio Lamucci* | Valor) *O jornalista viajou a convite da União Europeia.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host