UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

15/10/2009 - 18h33

Recuperação traz inadimplência a níveis anteriores à crise, diz Serasa

SÃO PAULO - A consolidação da recuperação econômica e a melhora no mercado de trabalho no país fizeram com que inadimplência dos consumidores brasileiros avançasse apenas 3,9% em setembro, na comparação anual, de acordo com os dados da Serasa Experian.

Essa foi a menor variação desde junho do ano passado, antes do agravamento da crise econômica mundial. "A recuperação econômica mostra que a inadimplência está retornando ao período antes da crise, quando o país apresentava elevado crescimento econômico", dizem os técnicos da entidade. Na comparação de setembro com agosto, a inadimplência recuou 1,7%, a segunda baixa mensal consecutiva. "A queda dos juros, a recuperação do emprego formal e da massa de rendimentos e a renegociação de dívidas estão dando a oportunidade para o consumidor reorganizar sua situação financeira", afirmou a instituição em nota. No acumulado do ano, no entanto, o indicador apontou crescimento de 8,9% na inadimplência, a segunda maior alta de 2009. Segundo o levantamento, a maior parte das dívidas em atraso de janeiro a setembro ficou concentrada nos bancos, que fecharam o período com uma participação de 44,4%, acima dos 43,2% registrados no mesmo período do ano passado. O valor médio, no entanto, caiu 2,5% para R$ 1.371,35.

No ranking de inadimplência, as dívidas com cartões de crédito e financeiras ocuparam no ano o segundo lugar, com 36,3%. Nessa modalidade de endividamento, o valor médio das dívidas teve baixa de 10,5% e ficou em R$ 409,08.

Destaca-se na pesquisa o aumento de 42,3% no valor médio dos cheques sem fundo, de R$ 677,64. Esse mecanismo de pagamento respondeu de janeiro a setembro por 17,3% dos compromissos não honrados, fatia inferior aos 21,8% apurados no mesmo período de 2008.

A menor participação no ranking continuou sendo de títulos protestados, que concentraram 1,9% das dívidas em atraso, com valor médio de R$ 951,99, 16,2% maior do que a média apurada de janeiro a setembro do ano passado.

(Vanessa Dezem | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host