UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

03/11/2009 - 16h17

Braskem estima que mercado de resinas crescerá 6,5% em 2010

SÃO PAULO - O presidente da Braskem, Bernardo Gradin, informou hoje que a empresa petroquímica prevê um crescimento de 6,5% no mercado brasileiro de resinas no próximo ano. Segundo o executivo, a meta da companhia é manter uma participação acima de 50% neste mercado, mesmo diante da tendência de um ambiente "ais desafiador" em 2010.

No terceiro trimestre, quando a demanda interna por resinas cresceu 9%, o market share da Braskem no segmento foi de 53%. "Vamos defender essa posição mesmo em um mercado mais acirrado", disse Gradin durante a apresentação dos resultados trimestrais da empresa a jornalistas. Para ele, a depreciação do dólar representa o maior desafio aos produtores brasileiros. O setor enfrenta ainda o problema do excesso de oferta, apesar de trabalhar com estoques inferiores aos do período pré-crise. O executivo apontou ainda que a recuperação nos preços de resinas e petroquímicos básicos foi revertida em setembro, na esteira da entrada em operação de novas capacidades e da redução nos preços de matérias-primas, além de uma desaceleração sazonal na demanda asiática. Nesse cenário, Gradin disse que a rigidez financeira seguirá no foco da companhia nos próximos dois anos. Só nos nove primeiros meses de 2009, a empresa reduziu os custos fixos em R$ 98 milhões.

O presidente da Braskem afirmou também que as usinas da companhia estão operando à plena capacidade, depois da recuperação mais forte experimentada pela empresa no segundo e no terceiro trimestres.

Gradin informou ainda que a Braskem está em negociações avançadas para adquirir uma empresa do setor de resinas nos Estados Unidos. De acordo com ele, a aquisição faz parte do plano do grupo de ser o maior produtor de petroquímicos das Américas.

"Estamos otimistas de que, no curto prazo, teremos uma notícia para dar", afirmou, ao comentar os planos de aquisição no mercado norte-americano.

Sobre as negociações envolvendo a Quattor, Gradin declarou que um acordo de confidencialidade o impede de dar informações em relação ao tema.

(Eduardo Laguna | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host