UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

09/11/2009 - 18h10

Anfavea espera crescimento da produção no último bimestre

SÃO PAULO - A produção de veículos no Brasil registrou queda de 9,7% no acumulado de janeiro a outubro deste ano, para 2,64 milhões de unidades, mas a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) ainda acredita que o setor diminuirá essa diferença anual para uma queda entre 5% e 6% até o final de dezembro.

Isso porque, como já foi observado em outubro, a produção dos dois últimos meses do ano deverá superar os volumes vistos no mesmo período de 2008, quando a crise de liquidez atingiu a atividade das montadoras brasileiras. " Temos uma base (de comparação) menor no final do ano " , disse o presidente da Anfavea, Jackson Schneider, durante entrevista coletiva à imprensa nesta segunda-feira.

Nada, no entanto, que inverta a tendência de queda no resultado do ano. A Anfavea prevê uma produção de 3,05 milhões de veículos - entre automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus - em 2009, abaixo do volume produzido no ano passado, de 3,21 milhões de unidades.

" Por maior que seja a produção nos próximos meses, o volume do ano vai fechar em queda por conta dos efeitos das exportações " , disse Schneider aos jornalistas.

O executivo disse que a entidade vê com otimismo a recuperação econômica global, mas ponderou que o setor não tem hoje as mesmas condições de competitividade do período pré-crise, citando fatores como a valorização do real e maiores custos trabalhistas, além de subsídios dados por governos em alguns mercados externos.

"A recuperação gera otimismo, mas também receios", disse. "Nas condições atuais, conseguiremos recuperar uma parte do que tínhamos antes (da crise), mas não tudo", acrescentou.

Segundo o balanço divulgado hoje pela Anfavea, as exportações da indústria automotiva (incluindo veículos e máquinas agrícolas automotrizes) somaram US$ 6,38 bilhões de janeiro a outubro, quase a metade dos US$ 12,08 bilhões registrados no mesmo período de 2008.

Apesar disso, Schneider afirmou que o nível de emprego no setor deverá seguir em alta, dado que alguns anúncios de contratações ainda não foram totalmente concretizados. No mês passado, a indústria automobilística fechou com 121,8 mil empregados, acima dos 121,23 mil funcionários de setembro, mas ainda abaixo do quadro de empregados do mesmo período de 2008, de 131,71 mil pessoas.

(Eduardo Laguna | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host