UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

10/11/2009 - 08h58

Dasa, da área de saúde, reverte prejuízo e mantém foco em consolidação

SÃO PAULO - Maior empresa de medicina diagnóstica, a Dasa não mudou seus planos diante do anúncio de pedido de oferta inicial de ações do seu concorrente Fleury, que poderá fazer aquisições com os recursos levantados.

A Dasa continuará dando atenção especial à consolidação dos laboratórios adquiridos. Esse é um dos focos do processo da reestruturação promovido pela Dasa nos últimos seis meses. "Não mudamos nosso caminho. Não dependemos só de aquisições para crescer. Uma das nossas vantagens é que temos uma operação muito diversificada, com atuação também no público de baixa renda, governo e terceirização de serviços" , disse Marcelo Noll Barboza, presidente da Dasa, que este ano fez apenas uma aquisição.

O executivo ressalta que as compras não estão totalmente descartadas e que há cerca de 20 a 25 empresas sendo analisadas, mas que a política atual para compras é muito mais seletiva quando comparada a 2008. Atualmente, a Dasa tem 325 unidades distribuídas em 18 bandeiras como Delboni Auriemo, Lavoisier e Pasteur.

Em setembro, a companhia promoveu a integração de oito laboratórios e incorporará outros 11 em dezembro. A integração das oito empresas fez com que a Dasa reportasse um débito de R$ 23,2 milhões referente à imposto de renda diferido desses laboratórios, o que fez o lucro cair de R$ 58,2 milhões para R$ 35 milhões no terceiro trimestre.

Ainda assim, a Dasa reverteu o prejuízo de R$ 19,2 milhões verificado no terceiro trimestre de 2008. A receita líquida somou R$ 370 milhões, um aumento de 21% quando comparado a igual trimestre de 2008. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (lajida) somou R$ 84,7 milhões, o que representa uma alta de 26% em relação ao trimestre do ano passado.

A margem lajida foi de 22,9%. O processo de reestruturação da Dasa está focado em oito ações. Entre elas, estão por exemplo a revisão de preços, que há cerca de cinco anos não sofrem reajustes, e a centralização de exames para baixar custos. A ideia é que 40% dos 10 milhões de exames feitos por mês sejam realizados em um único local até 2011. A empresa também enxerga como grande oportunidade de crescimento o atendimento destinado ao público de baixa renda que não possui planos de saúde.

Esse segmento representa 11,8% da receita da Dasa e cresceu 16,3% no último trimestre. Outra novidade da reestruturação que já é percebidas no balanço é a provisão de devedores duvidosos, criada no trimestre anterior e que recebeu recursos de R$ 59,7 milhões. Nesse terceiro trimestre, a provisão foi de R$ 5,6 milhões. " A cada trimestre vamos avaliar quanto precisamos colocar " , explicou o presidente da Dasa, que possui em caixa R$ 300 milhões.

O endividamento da companhia também vem passando por mudanças. Hoje, a dívida é de R$ 468 milhões contra R$ 512 milhões do segundo trimestre. A empresa vem quitando os débitos de curto prazo.

(Beth Koike | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host