UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

16/11/2009 - 14h01

Contratos de DIs sobem puxados por dados de emprego mais fortes

SÃO PAULO - Os contratos de Depósitos Interbancários (DIs) negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros avançam em bloco nesta jornada, em ajuste promovido por dados de emprego e de inflação maiores do que o esperado.

Há pouco, na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2011 apontava alta de 0,02 ponto percentual, a 10,29%. Janeiro de 2012 avançava 0,02 também, a 11,62%. Janeiro de 2013 ganhava 0,03 ponto, a 12,31%.

Na parte curta da curva, o DI com vencimento em janeiro de 2010 operava com alta de 0,01 ponto, a 8,65%. Julho de 2010 marcava aumento de 0,02 ponto para 9,15% ao ano e dezembro de 2009 registrava elevação de 0,01 ponto, aos 8,54% ao ano.

De acordo com analistas do segmento, os investidores desse segmento calibram as apostas nesta jornada, amparados nos dados fortes de geração de emprego, o que reforça a análise de forte atividade no país. As contratações com carteira assinada superaram as demissões em 230.956 vagas em outubro, conforme os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado hoje pelo Ministério do Trabalho. Foi o melhor outubro da história do Caged. Além de a geração de empregos formais ter superado as 61.401 vagas de outubro do ano passado, ficou acima dos 180 mil estimados pelo mercado.

Segundo agentes, com atividade mais forte, aumentam as perspectivas de que o Banco Central pode retomar uma política restritiva de juros antes do esperado. Além disso, o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) fechou a segunda prévia do mês com alta de 0,20%, acima da previsão de 0,17%. Adicionalmente, os agentes financeiros consultados pelo Banco Central (BC) ajustaram a estimativa para o crescimento da economia do país neste ano. Agora, a previsão é de uma expansão de 0,21%. Antes, o prognóstico era de que o Produto Interno Bruto (PIB) avançaria 0,20%. Para 2010, a economia deve ter ampliação de 5%, melhor do que os 4,83% esperados antes.

Os indicadores de atividade são os que mais têm contribuído para o aumento dos prêmios nas taxas dos DIs. Os de inflação preocupam bem menos e hoje o Boletim Focus voltou mostrar redução da projeção dos agentes para o IPCA deste ano (de 4,27% para 4,26).

(Bianca Ribeiro | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host