UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

20/11/2009 - 12h28

Controladores e Tarpon compram 21% das ações da Direcional

SÃO PAULO - A gestora de recursos Tarpon e os controladores compraram ações da Direcional Engenharia na oferta pública inicial da companhia. Juntos ficaram com quase 21% da colocação, que somou R$ 241 milhões.

A Tarpon é sócia da construtora desde março do ano passado, quando adquiriu 25% do capital, após a empresa desistir de sua primeira tentativa de listar as ações na BM & FBovespa. O investimento da Tarpon na oferta foi de R$ 44 milhões. Já a família controladora, Valadares Gontijo, comprou R$ 6,2 milhões. Sozinha, a gestora absorveu 18% da distribuição.

Dessa forma, a participação da Tarpon no capital da companhia, mesmo com a diluição da emissão, ficou em 23,8% e a dos sócios majoritários, em 62,2% A possibilidade de os sócios adquirirem papéis na oferta estava prevista no prospecto da operação. Pelo documento, tanto a família controladora quanto a Tarpon poderiam comprar os papéis. Poderiam exercer o chamado direito de prioridade, para garantir uma diluição menor de sua participação. O resultado final da colocação e a distribuição do capital constam do prospecto definitivo. Com isso, a Direcional Engenharia chegou ao Novo Mercado com um percentual do capital em circulação de apenas 14%, quando descontada a fatia detida pela gestora de recursos, cuja aplicação é focada no longo prazo. O mínimo exigido pelo segmento especial da bolsa é de 25%. As ações da empresa estrearam em alta. Subiram 1,9%, encerrando o dia a R$ 10,70. O volume de negociação no dia de estreia, um dos mais agitados na vida de uma novata, foi de R$ 29,8 milhões. A colocação da Direcional foi a primeira deste ano abaixo de R$ 500 milhões. O comportamento do papel pode indicar a abertura do um novo momento e modelo para colocações de operações de menor porte. Além dos atuais sócios terem participado da distribuição, as ações foram oferecidas para poucos investidores, focados em retorno de longo prazo. A empresa não fez nem mesmo as reuniões com investidores potenciais no formato aberto tradicional. O preço da oferta saiu em R$ 10,50, exatamente no intervalo da faixa sugerida - R$ 10 a R$ 11.

A participação dos sócios na distribuição inicial costuma não agradar o mercado, já que o preço da colocação é resultado da demanda. A compra pelos sócios originais pode afetar a formação do preço. Por isso, a informação constava no prospecto como risco.

(Graziella Valenti | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host