UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/11/2009 - 13h47

Ibovespa segue mercado externo e avança para 69.134 pontos

SÃO PAULO - Embora a Irlanda e os conflitos entre as Coreias do Norte e do Sul permaneçam no foco do mercado, as bolsas encontram espaço para uma recuperação nesta quarta-feira, amparadas em novos dados da economia americana.

No Brasil, o Ibovespa segue tentando firmar os 69 mil pontos, com uma alta generalizada de suas ações. Por volta das 13 horas, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) subia 1,74%, aos 69.134 pontos, com giro financeiro de R$ 2,376 bilhões. Em Wall Street, as principais bolsas também operavam no azul. Há pouco, os índices Dow Jones e S&P 500 subiam 0,89%, e o Nasdaq avançava 1,26%. Diante de uma bateria de indicadores nos Estados Unidos, destaque positivo para os números do mercado de trabalho. Os novos pedidos de seguro-desemprego caíram em 34 mil na semana terminada no dia 20 deste mês, em relação à retrasada, somando 407 mil.

Além disso, os gastos dos consumidores americanos subiram 0,4% em outubro, enquanto a renda teve alta de 0,5% no mesmo período.

Do lado negativo, as novas encomendas de bens duráveis nos Estados Unidos recuaram 3,3% em outubro, alterando a direção de um mês antes, quando houve alta de 5%.

Na Europa, o ministro das Finanças do país, Brian Lenihan, está para apresentar o plano do governo para o período de quatro anos, que deve contemplar cortes de 3 bilhões de euros no orçamento de bem-estar social. Também há a expectativa de aumentos significativos de impostos.

Nesta quarta-feira, a agência de classificação de risco Standard & Poor´s (S&P) rebaixou o rating da Irlanda, notando que o país deve tomar mais empréstimo que o esperado para ajustar a situação dos bancos.

Na avaliação do analista sênior do BB Investimentos, Hamilton Alves, o mercado mostra apenas um repique técnico nesta sessão, diante das perdas recentes.

"Ainda é cedo para dizer que a situação está confortável. Há um feriado nos Estados Unidos amanhã, então esta alta pode não se sustentar. De toda forma, o mercado pode estar tendo um repique, diante da proximidade do fim do mês", apontou.

No acumulado de novembro, o Ibovespa já recua 3,85%.

No front corporativo doméstico, as ações seguem subindo em bloco, com destaque para os papéis de construtoras e os bancos. Há pouco, as maiores altas do Ibovespa eram lideradas pelas ações PDG ON (3,97%, a R$ 10,47), MRV ON (3,94%, a R$ 16,87) e Rossi ON (3,90%, a R$ 14,62).

Entre as ações de maior giro no dia, Itaú Unibanco PN (1,99%, a R$ 40,99) negociava R$ 208,9 milhões, Petrobras PN (0,77%, a R$ 24,84) girava R$ 186,2 milhões e Vale PNA (1,30%, a R$ 48,83) tinha total negociado de R$ 174,4 milhões.

As exceções do dia ficam por conta dos papéis PN da TAM, que recuam 0,07%, para R$ 42,35, e das ações ON da Natura, que cedem 0,87%, a R$ 45,10.

Fluxo externo Ainda no mercado brasileiro, o fluxo estrangeiro na Bovespa está positivo em R$ 969,1 milhões no acumulado do mês, até o dia 22, resultado de compras no valor de R$ 29,624 bilhões e de vendas de R$ 28,655 bilhões. Apenas na última segunda-feira, o estrangeiro colocou R$ 241,7 milhões no mercado. Apesar disso, o Ibovespa recuou 1,78% naquele dia.

No ano, o resultado da atuação do investidor internacional na bolsa brasileira está positivo em R$ 5,665 bilhões. (Beatriz Cutait | Valor)
Hospedagem: UOL Host