UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/11/2009 - 19h28

Com dados positivos nos EUA, Ibovespa tem maior patamar em 17 meses

SÃO PAULO - Na esteira dos bons indicadores da economia norte-americana, o Ibovespa alcançou hoje o maior patamar em mais de 17 meses. O principal índice de ações da bolsa encerrou a sessão de negócios em alta de 0,89% e chegou aos 67.917 pontos, maior nível de fechamento desde o dia 17 de junho do ano passado, quando atingiu 68.437 pontos. Com isso, a valorização do índice no ano passa as ser de 80,87%.

Hoje, os negócios com ações na bolsa somaram R$ 5,909 bilhões. Puxaram o desempenho positivo os números melhores do que as expectativas da maioria dos indicadores reportados nos Estados Unidos, como a queda nos pedidos de seguro-desemprego na última semana, o aumento de 0,7% nos gastos dos consumidores em outubro e o avanço de 6,2% nas vendas de casas novas durante o mês passado. A queda do índice que mede a confiança do consumidor norte-americano - de 70,6 para 67,4 pontos entre outubro e novembro - ficou abaixo das expectativas, assim como a alta dos estoques de petróleo nos Estados Unidos em 1 milhão de barris.

Assim, a bolsa brasileira encontrou um ambiente externo favorável - com alta tanto nos contratos de commodities e como nos principais índices acionários de Wall Street - para renovar a máxima do ano.

O ponto negativo do dia foi o recuo de 0,6% nos novos pedidos de bens duráveis nos Estados Unidos em outubro, o que provocou instabilidade nos negócios nas duas primeiras horas de pregão. Na mínima do dia, o Ibovespa alcançou os 67.240 pontos (queda de 0,11%), para depois se recuperar e atingir a máxima de 67.997 pontos (alta de 1,01%). Entre os ativos de maior liquidez da Bolsa, destaque aos papéis de siderúrgicas, que reagiram à decisão do governo de prolongar a flexibilização fiscal aos clientes das indústrias de automóveis e de construção civil. O papel PNA da Usiminas, por exemplo, subiu 2,42%, a R$ 51,50, enquanto a preferencial da Gerdau teve alta de 0,77%, a R$ 28,50. Com desempenho mais tímido, a ação ON da CSN avançou 0,26%, a R$ 59,53.

As ações ligadas a commodities também ajudaram a sustentar o Ibovespa, com ganhos de 0,76%, a R$ 39,45, na preferencial da Petrobras, e valorização de 0,62%, a R$ 43,37, no papel PNA da Vale.

No setor bancário, os papéis reagiram aos números do Banco Central que apontaram crescimento de 1,41% nas operações de crédito entre setembro e outubro, além de queda da inadimplência no segmento de pessoa física. A ação PN do Itaú Unibanco subiu 1,83%, a R$ 38,79, e a preferencial do Bradesco teve alta de 0,41%, a R$ 36,35. Por sua vez, a ação ON do Banco do Brasil subiu 0,09%, a R$ 30,83. Eduardo Oliveira, da Um Investimentos, afirma que o mercado passará a mirar os 70 mil pontos do Ibovespa, caso consiga se sustentar acima dos 67 mil pontos nas próximas sessões. " A tendência para dezembro é de volatilidade, mas ainda vemos fundamentos econômicos que justificam um avanço do índice " , diz.

(Eduardo Laguna | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host