UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

26/11/2009 - 13h34

BC ainda acredita no cumprimento da meta fiscal de 2009

BRASÍLIA - O chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Altamir Lopes, ainda crê que o setor público cumprirá a meta fiscal de 2009, fixada em 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Nos 12 meses até outubro, o superávit primário acumulado equivale a 1% do PIB.

"A expectativa é de que se cumpra a meta de superávit primário, ajustada ou não, abatendo em parte ou no todo os investimentos realizados em obras de infraestrutura", comentou ele.

O governo pode abater até o equivalente a 0,94% do PIB em investimentos efetivos realizados no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e Projeto Piloto de Investimentos (PPI).

Conforme ele havia previsto, os ventos da recuperação da atividade da crise financeira global ampliaram as receitas em outubro, contribuindo para que o governo fizesse uma economia para o pagamento de juros da ordem de R$ 13,8 bilhões. É o segundo melhor resultado para o mês na série histórica do BC, iniciada em 1991.

Segundo Lopes, as receitas cresceram 7,5% em outubro sobre o mesmo mês de 2008. "A despeito das desonerações fiscais, o que se espera é a continuidade de alta da arrecadação", comentou. Além de aumento na receita de impostos, o governo contou ainda em outubro com depósitos judiciais e adesões ao programa de refinanciamento de dívidas (Refis da Crise). Em outubro, o governo federal contribuiu com R$ 14,221 bilhões para o superávit primário, enquanto os governos regionais economizaram R$ 2,021 bilhões e as estatais federais, estaduais e municipais (sem a Petrobras) tiveram resultado positivo de R$ 419 milhões.

A conta de juros somou R$ 14,824 bilhões, de forma que o resultado nominal foi negativo em R$ 1 bilhão, o segundo melhor resultado da série para meses de outubro, perdendo para outubro do ano passado quando se verificou superávit nas contas públicas em R$ 9,5 bilhões.

De janeiro a outubro, o superávit primário do governo somou R$ 51,5 bilhões ou 2,06% do PIB enquanto, nos 12 meses, foi equivalente a R$ 29,748 bilhões ou 1% do PIB.

(Azelma Rodrigues | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host