UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

26/11/2009 - 15h59

Lula receberá decreto de concessão de aeroportos em 10 dias, diz Jobim

RIO - O ministro da Defesa, Nelson Jobim, anunciou hoje que vai apresentar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos próximos dez dias um decreto com o modelo de concessão de aeroportos. Segundo ele, o processo de concessão dos aeroportos, que deve começar antes da Copa do Mundo, não será atrasado pelas eleições.

"Não se pode confundir eleição com a necessidade de infraestrutura para o país. Está tudo sob controle. A Infraero está fazendo as obras e reformas necessárias para que isso (concessão) ocorra".

O decreto prevê um leque de opções de concessão, entre elas a por outorga, em que o valor pago seria destinado a um fundo para financiar os aeroportos deficitários e as malhas regionais de aviação sob administração do governo.

"O decreto possibilita também a concessão para construção de terminais de carga, de passageiros, a existência de um terminal específico para apenas uma empresa aérea. Uma espécie de subsídio transversal." O ministro informou que a formulação do decreto foi complexa e que foi necessário fazer um levantamento de modelos em outros países com experiência sobre o assunto. Ele informou que há ainda problemas pendentes como a limitação de voos do aeroporto Santos Dummont imposta pelo governo do estado do Rio e que, segundo ele, foi um equívoco. "O que acarretou a redução da possibilidade do Rio ter mais disponibilidades. E gerou um crescimento enorme no aeroporto de Viracopos em São Paulo." Jobim adiantou também que o presidente autorizou ontem o início do projeto Guarani, que vai complementar a frota de veículos blindados sobre rodas do Exército. "Já vamos começar a construir aqui no Brasil, pela Fiat Iveco de Sete Lagoas (MG), 2 ou 3 mil blindados, que vão complementar a frota." O projeto vai custar cerca de R$ 6 bilhões num período de 20 anos.

Os anúncios foram feitos nesta manhã, durante a cerimônia de passagem de cargo de Comandante de Operações Navais/ Diretor-Geral de Navegação, a bordo do porta-aviões São Paulo, no Rio de Janeiro.

Logo após a solenidade, Jobim partiu para Quito, no Equador, para participar da reunião com ministros da Defesa e chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) programada para amanhã. Sobre o tema, Jobim voltou a minimizar os problemas que devem nortear o encontro, como as tensões entre Venezuela e Colômbia e entre Peru e Chile. "As tensões na região são mínimas e facilmente resolvidas diplomaticamente. Não é nada comparado a conflitos como os no Afeganistão e no Iraque, por exemplo." Segundo ele, o que está por trás do conflito entre Colômbia e Venezuela é "o processo eleitoral que se avizinha em ambos os países". Já a tensão entre Chile e Peru, de acordo com Jobim, não deve ser debatida no encontro, já que o problema se encontra em Corte Internacional, e a Unasul não têm competência para examinar o assunto. O Peru acusa o Chile de espionagem e armamentismo. Além disso os dois países disputam na Corte Internacional de Haia uma área de 35 mil quilômetros quadrados no Pacífico. Os desentendimentos entre Colômbia e Venezuela recomeçaram após a assinatura de um convênio entre os Estados Unidos e a Colômbia para uso de sete bases colombianas por forças americanas.

Em julho, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, cancelou os laços diplomáticos com Bogotá, por considerar o acordo uma ameaça à segurança regional. Recentemente, o governo colombiano ameaçou denunciar a Venezuela em organismos internacionais, depois de o presidente Hugo Chávez ter convocado à população a se preparar para uma guerra.

(Agência Brasil)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host