UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

21/12/2009 - 19h57

Mais de 25% dos paulistanos fazem compras de Natal pela internet

SÃO PAULO - Neste Natal, nada menos de 26,5% dos paulistanos estão realizando compras pela internet. O percentual denota um crescimento de 12,7% na comparação com o Natal passado, quando 23,5% dos entrevistados preferiram a web. Os dados são de uma pesquisa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) divulgada hoje. A internet já faz parte do dia-a-dia do consumidor da capital paulista. Prova disso é que, nos últimos seis meses, mais da metade (56%) fez compras pelo comércio eletrônico. Para a superintendente de marketing da ACSP, Sandra Turchi, as pessoas só não fazem mais compras pela internet porque têm vontade de ver, provar e manusear o produto, antes de adquiri-lo. Existe ainda a questão da insegurança, do medo de o produto não ser entregue, de se tratar de um golpe, ou de alguém utilizar seus dados. A pesquisa revelou que 40,8% dos paulistanos pesquisados não se sentem seguros em fazer compras via web. Somente 36,5% consideram seguro. Além disso, 29,4% dos entrevistados acreditam que não se deve utilizar a internet para aquisições de grande valor. O estudo, que contou com a participação de 800 pessoas em São Paulo, ainda comprovou a eficácia da publicidade via e-mail. Dos entrevistados, 27,3% adquiriram algum produto que foi divulgado. As classes A e B foram as que mais por conta das propagandas, superando os 30%. " Entre os entrevistados, 50,6% leem às vezes e 27,3% sempre leem as propagandas e-mails que recebem. Apenas 22,1% não leem esses e-mails " , analisa Sandra. Contribui para o aumento da popularidade da internet entre consumidor a banda larga. Para se ter uma ideia, entre os internautas, 51,7% já contam com banda larga, sendo que o percentual é maior nas classes A e B, com 72,1%, e na classe C, com 44,1%. Já nas classes D e E, somente 17,3% dos respondentes têm banda larga. A própria difusão da internet já cresce. Se quase 80% das classes A e B têm computador com internet e mais da metade da classe C também, nas classes D e E, por volta de um quarto dos entrevistados contam com o serviço em casa. Outros 52% já acessam a rede mundial de computadores de locais como lan houses. (Karin Sato | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host