UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

14/01/2010 - 20h15

Diretora do BC sai para voltar a programa das Nações Unidas

BRASÍLIA - A diretora de Assuntos Internacionais do Banco Central (BC), Maria Celina Berardinelli Arraes, pediu demissão hoje do cargo. O anúncio foi feito depois que boatos circularam à tarde no mercado financeiro, e até em Nova York, sobre a suposta saída do diretor de Política Econômica, Mário Mesquita.

Maria Celina será substituída por um subordinado, Carlos Hamilton Vasconcelos Araujo, atual chefe do Departamento de Estudos e Pesquisas do BC. Cearense de Sobral, 45 anos, funcionário de carreira (assim como Maria Celina), Carlos Hamilton é doutor em Economia pela Fundação Getúlio Vargas, com formação original em Engenharia Civil (assim como o presidente do BC, Henrique Meirelles), pela Universidade Federal do Ceará. Entre as funções exercidas no BC, ele foi chefe da mesa de operações do Departamento de Operações do BC com o Mercado Aberto (Demab), responsável pela oferta diária de títulos públicos federais ao mercado financeiro.

Em nota, o BC diz que a razão da saída de Maria Celina é a sua volta ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), onde está desde 1999, e de onde estava licenciada. A licença teria chegado ao fim e ela reassume o cargo semana que vem.

A Diretoria de Assuntos Internacionais (Direx) perdeu parte da importância no governo Fernando Henrique Cardoso, quando o Departamento de Acompanhamento das Reservas Internacionais (Depin) foi remanejado para a área de Política Monetária. E todo o processo que envolve o histórico da dívida externa, inclusive novos lançamentos de bônus soberanos, passou para o Tesouro Nacional, no Ministério da Fazenda.

O trabalho de maior relevo da gestão da economista Maria Celina, que estava no cargo desde janeiro de 2008, são negociações envolvendo acordos internacionais para pagamento de operações de comércio exterior em moedas locais. Exemplo disso é um acordo em vigor com a Argentina, e outro em conversas com a China.

A equipe de Maria Celina também trabalhava na reformulação de regras cambiais, removendo medidas do tempo em que o Brasil tinha que decretar controle de câmbio, por falta de moeda estrangeira no cofre do BC.

Em comunicado, o presidente do BC, Henrique Meirelles, informa ter determinado que Carlos Hamilton " apresente uma proposta de reformulação da Direx " , sem especificar o que isso vem a ser. Até que Carlos Hamilton assuma as funções - porque ainda depende de sabatina e aprovação do Senado -, o diretor Aldo Mendes, de Política Monetária, acumulará a função. Em recesso, o Congresso Nacional só deve retomar os trabalhos ao fim de fevereiro, após o Carnaval.

Isso significa que a primeira reunião do ano do Comitê de Política Monetária (Copom), do próximo dia 27, deve definir a taxa básica de juros com um membro a menos.

(Azelma Rodrigues | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host