UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

14/01/2010 - 10h18

Índice futuro sugere pregão instável na Bovespa

SÃO PAULO - O começo de pregão deve ser instável na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). A indicação vem do mercado futuro e espelha a cautela dos agentes ante a agenda de indicadores do dia. Há pouco, o Ibovespa com vencimento em fevereiro perdia 0,12%, a 70.850 pontos.

Em Wall Street os futuros operam próximos da estabilidade. Logo mais serão conhecidos o desempenho do varejo em dezembro e os pedidos semanais por seguro-desemprego. Após o encerramento do pregão, os investidores acompanham a divulgação de resultados da Intel. A Alcoa deu a largada na temporada de balanços e desagradou com números piores do que o previsto. Atenção também para o setor financeiro, conforme o governo Obama planeja elevar os impostos pagos pelos grandes bancos com o objetivo de levantar US$ 90 bilhões durante os próximos 10 anos.

Na Europa, as atenções estão voltadas para a decisão do Banco Central Europeu (BCE) e para a entrevista de seu presidente, Jean-Claude Trichet. A previsão é de estabilidade da taxa básica em 1%. Em Londres, o setor financeiro e as mineradoras garantiam alta de 0,36% para o FTSE-100.

Os mercados asiáticos tiveram um pregão de recuperação depois das perdas acentuadas de ontem. A quinta-feira terminou com alta de 1,61% em Tóquio e ganho de 0,86% em Seul. Na China, Xangai garantiu valorização de 1,35%, mas Hong Kong perdeu 0,15%.

No lado corporativo, a Rio Tinto atingiu a previsão de produção de minério no quarto trimestre. Foi registrada uma alta de 49% na produção, reflexo da elevada demanda chinesa. Tal constatação contribui para as expectativas de elevado reajuste no preço do minério. Ontem, o Merrill Lynch divulgou previsão sugerindo aumento de 50% no preço. A Rio Tinto também anunciou que prevê subir sua produção em 6% agora em 2010.

No câmbio, o dólar operava estável contra seus principais rivais, mas por aqui as compras voltam a mostrar força. Há pouco, a moeda valia R$ 1,767 na venda, elevação de 45%.

Ontem, a instabilidade foi grande, mas compras no final do dia seguraram o Ibovespa acima dos 70 mil pontos. Mais uma vez os papéis da Vale foram destaque. Ao final da jornada, o índice marcava acréscimo de 0,44%, a 70.385 pontos. O volume foi de R$ 6,8 bilhões.

Em Wall Street, o Dow Jones encerrou com valorização de 0,50%, o S & P 500 marcou elevação de 0,83% e o Nasdaq subiu 1,12%.

(Eduardo Campos | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host