UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

20/01/2010 - 14h27

Credor aprova plano de recuperação judicial da Arantes Alimentos

SÃO PAULO - Credores da Arantes Alimentos aprovaram ontem, em assembleia, o plano de recuperação judicial da empresa, que tem dívidas de R$ 1 bilhão.

Segundo Thomas Felsberg, advogado da companhia, o plano prevê a criação de uma nova empresa, a Nova Arantes, que ficará com os ativos da Arantes e parte dos passivos, e a emissão de debêntures conversíveis em ações.

Os credores quirografários (sem garantia real, incluindo financeiros), com os quais o Arantes tem dívida de R$ 600 milhões, receberão 30% de seus créditos da Nova Arantes e 30% em debêntures. Os 40% restantes serão perdoados. Felsberg explicou que as debêntures, cujo valor ainda não está definido, poderão ser convertidas em ações da companhia no caso de " evento de liquidez " (venda da empresa).

Para os credores com garantia real, 31% dos créditos serão pagos pela Nova Arantes e o restante será recebido na forma de debêntures. Tais dívidas somam R$ 70 milhões. Já os credores que não estão vinculados ao plano de recuperação serão pagos da seguinte forma: 70% do pagamento virão da Nova Arantes e 30% em debêntures. Nos três casos, a carência é de quatro anos, e a Arantes terá cinco anos para pagar, segundo Felsberg. Só os pecuaristas começarão a receber imediatamente os seus créditos. A Arantes tem um ano para pagá-los e a outros considerados estratégicos. A dívida do Arantes com pecuaristas de Mato Grosso, Goiás, Maranhão e Minas Gerais soma R$ 20 milhões, segundo a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat). Com outros fornecedores, é de mais de R$ 30 milhões e com os trabalhadores, de cerca de R$ 10 milhões, segundo a Acrimat.

Conforme Felsberg, as debêntures serão emitidas em 90 dias e terão vencimento em sete anos, com a possibilidade de prorrogação de mais três anos. O Grupo Arantes pediu recuperação em janeiro de 2009 na Comarca de Nova Monte Verde (MT). O processo foi transferido para São José do Rio Preto (SP) em março e, no mesmo mês, encaminhado para São Paulo. Voltou para São José do Rio Preto em junho passado.

A Arantes, que teve perdas de R$ 250 milhões com derivativos cambiais, atribui suas dificuldades à crise financeira global. Atualmente, apenas as indústrias de frango e de embutidos estão em operação. Na assembleia de ontem, aprovaram o plano 100% dos credores presente trabalhistas, 100% dos credores presentes com garantia real e 65% dos quirografários presentes.

(Alda do Amaral Rocha | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host