UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

20/01/2010 - 08h50

Cristina escancara crise com vice na Argentina

BUENOS AIRES - Nada é capaz de deixar tão furiosa a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, quanto fazer uma menção a Julio Cobos. O problema é que Cristina - acostumada a defenestrar seus adversários, políticos ou empresariais - não pode demiti-lo: Cobos, vice-presidente da República, detém constitucionalmente o cargo de presidente do Senado. Ex-governador de Mendoza pela União Cívica Radical (UCR), a principal legenda de oposição, ele quase foi expulso do partido por ter aderido à chapa de Cristina nas eleições de 2007. Hoje, paradoxalmente, é o pior inimigo do governo, pré-candidato à Casa Rosada em 2011 e o político mais popular da Argentina.
Ontem a presidente resolveu cancelar uma viagem à China, prevista para a próxima semana, a fim de evitar que Cobos exerça o cargo interinamente. Caso isso ocorresse, ele poderia convocar sessões extraordinárias do Congresso, atualmente em recesso, para discutir a crise gerada com a tentativa de demissão do presidente do Banco Central, Martín Redrado, e de usar reservas internacionais.

Cristina lideraria uma missão à China, segundo maior mercado para as exportações argentinas (o primeiro é o Brasil), porque não quer deixar o país nas mãos de Cobos. Segundo ela, o vice-presidente " não cumpre com as suas funções " . " Se é vice-presidente, não pode ser opositor. Uma pessoa não pode estar na arquibancada do Boca e gritar gol do River. "
Após 12 dias de crise institucional pela ofensiva ao BC, o governo decidiu consultar uma comissão bicameral do Congresso sobre o decreto de demissão de Redrado. Cristina pediu a indicação de integrantes para formar a comissão, mas rejeitou a hipótese de interromper o recesso parlamentar. Com isso, o tema só será tratada a partir de março. De qualquer forma, ela ressaltou que a análise legislativa do decreto não tem " caráter vinculante " e o governo poderá rejeitá-la. Redrado se sustenta no cargo com base em uma liminar judicial, que o governo tenta cassar em segunda instância.

(Daniel Rittner | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host