UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

20/01/2010 - 14h29

Preocupação com a China derruba Bovespa em 3%; dólar atinge R$ 1,792

SÃO PAULO - As vendas ganham força na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) que registra a maior perda diária desde o final de outubro. Com todos os 63 papéis em baixa, por volta das 14h25, o Ibovespa apontava baixa de 3,0%, aos 67.808 pontos, com giro financeiro de R$ 4,3 bilhões.

Segundo operador de mercado que prefere não se identificar, a preocupação com um aperto monetário da China levou alguns grandes agentes de mercado a dar início a uma zeragem de posição. "A porta é pequena tanto na entrada quanto na saída." Isso fica evidenciado pela oscilação anormal e volume crescente. Mantido o atual ritmo de negócios, o volume projetado para o dia supera os R$ 8 bilhões. "Queda forte com volume elevado não é um bom sinal." Conforme a economia chinesa dá mostras de melhora, o governo toma medidas para conter a expansão monetária, como aumento de juros interbancário e compulsório. A questão é que os agentes acreditam que essas restrições vão reduzir o ritmo de crescimento da China e, consequentemente, do restante do mundo. Na noite de hoje será conhecida uma série de indicadores da economia chinesa, incluindo o PIB do quarto trimestre, produção industrial e venda no varejo. Os dados devem ser fortes, o que pode aumentar a preocupação com uma alta de juros na China.

Como a incerteza é grande, prevalece a máxima de mercado que diz que na incerteza prevalece a venda. E é isso que acontece no mercado de ações e commodities. Compra mesmo apenas de dólar e títulos americanos.

No câmbio local o ajuste é forte. A moeda americana avança 1,12%, para R$ 1,792 na venda. Contra o euro, o dólar também ganha mais de 1%. Além da questão envolvendo a China, balanços de bancos americanos, com Bank of America e Morgan Stanley, contribuem para o tom negativo do dia. Em Wall Street, o Dow Jones perdia 1,68%, enquanto o S & P 500 e o Nasdaq recuavam 1,57% e 1,85%, respectivamente.

Voltando o foco para a Bovespa, os carros-chefe pagam o preço da liquidez. Vale PNA recuava 2,17%, a R$ 46,22, e Petrobras PN caía 2,55%, a R$ 35,45. Ainda no setor de commodities, OGX Petróleo ON perdia 4,04%, a R$ 18,52.

Com o terceiro maior volume do índice, BM & FBovespa ON tinha baixa 3,77%, a R$ 12,99. Entre os bancos, Banco do Brasil ON devolvia 4,20%, a R$ 28,50.

A varejista B2W Varejo tem a maior baixa do índice, recuando 5,78%, a R$ 39,24. Telemar ON perdia 5,30%, a R$ 39,06, e JBS OB diminuía 5,26%, a R$ 9,90. Gafisa On, Rossi ON, Cyrela ON, Tim Part ON, Lojas Americanas PN, Cesp PNB, Redecard ON, Eletrobras PNB e Bradespar PN perdiam mais de 4% cada.

Fora do índice Telebrás PN defende forte volume, mas devolve os ganhos da manhã. Há pouco, o papel caía 7,42%, a R$ 1,62, com R$ 94 milhões em negócios. Ontem, o ativo disparou 37,79%, a R$ 1,75, com mais de R$ 195 milhões em negócios, quarto maior volume do dia.

O recibo de ação da Laep, controladora da Parmalat, avançava 2,0%, a R$ 2,55, com R$ 90 milhões em negócios. Já Kepler Weber ON saltava 13,46%, a R$ 0,56, movimentando mais de R$ 54 milhões. (Eduardo Campos | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host