UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

10/02/2010 - 16h25

DIs sobem após 1ª prévia do mês do IGP-M e indicador da CNI

SÃO PAULO - Os contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) encerraram a jornada desta quarta-feira em alta, com o acúmulo de prêmios de risco na curva de juros. Embora as oscilações em relação ao fechamento de ontem tenham sido pequenas, os dados refletiram novos indicadores de inflação e de atividade divulgados nesta manhã.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou que o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) avançou 0,98% na primeira leitura de fevereiro, ante alta de 0,27% apurada em igual período de janeiro. Dos três componentes do IGP-M, destaque para o Índice de Preços por Atacado (IPA), que foi de 0,25% para 1,16% de aumento da primeira medição de janeiro para o mesmo intervalo de fevereiro. Já a Confederação Nacional da Indústria (CNI) revelou que o nível de utilização da capacidade instalada (Nuci) da indústria brasileira subiu para 81,7% em dezembro de 2009, em termos dessazonalizados, ante os 81,3% registrados em novembro. Em dezembro de 2008, o percentual também era menor, de 79,4%. "Os índices de atividade e de inflação, de maneira geral, apontam que provavelmente o Banco Central vai ter que começar a mexer na taxa de juros o mais breve possível. A inflação em 12 meses está numa tendência crescente, as expectativas de inflação estão bem acima do centro da meta, e os números de atividade também estão fortes. Desta forma, a subida de juros é iminente, e já deve acontecer em março", afirmou o sócio da Platina Investimentos, Marco Antonio Franklin.

E embora as preocupações em relação ao cenário externo persistam, tendo em vista as incertezas sobre a resolução dos problemas financeiros de países como Grécia e Espanha, os Estados Unidos deram hoje um sinal de que os "planos" para a trajetória econômica do país no pós-crise estão mantidos.

O presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Ben Bernanke, afirmou que a economia ainda precisa do apoio de políticas monetárias de juro baixo, mas que a instituição está trabalhando para garantir as ferramentas para reverter, no momento apropriado, o atual grau de estímulo monetário. Segundo ele, o Comitê de Política Monetária do Fed avalia que as condições econômicas, incluindo baixas taxas de utilização de recursos, tendência de inflação contida e expectativas de inflação estáveis, devem garantir patamares excepcionalmente baixos da taxa básica de juro por um longo período.

Com o fortalecimento da atividade econômica, porém, o BC americano vai precisar iniciar um movimento de aperto monetário para evitar o desenvolvimento de pressões inflacionárias.

Na avaliação do sócio da Platina, o BC brasileiro deve seguir empenhado em iniciar o aperto monetário, independente das incertezas atuais presentes no front internacional.

"O mercado está com a leitura de que, se a situação na Europa se agravar, a economia poderá ter uma trajetória em ? W ? e o Banco Central não precisará subir juros, mas eu não concordo. Se ocorrer, de fato, uma crise mais forte na Grécia, o que não acreditamos que acontecerá, e isto realmente trouxer o crescimento europeu para baixo, o BC pode interromper a alta de juros no Brasil. Quanto mais preventivo ele for, menos precisará fazer", assinalou Franklin.

Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), ao final da jornada, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2011, o mais líquido do dia, subia 0,01 ponto, a 10,27%. O vencimento para janeiro de 2012 ganhava 0,04 ponto, a 11,43%, assim como o do primeiro mês de 2013, que avançava 0,04 ponto, a 12,92%.

Entre os vencimentos curtos, julho de 2010, que divide as apostas quanto à possibilidade de alta na Selic no primeiro ou no segundo semestre, subia 0,03 ponto, a 9,18%, enquanto o DI de abril mantinha taxa de 8,695%.

Até as 16h15, antes do ajuste final de posições, foram negociados 590.365 contratos, equivalentes a R$ 52,039 bilhões (US$ 28,053 bilhões), pouco abaixo do volume de ontem (R$ 54,5 bilhões). O vencimento para janeiro de 2011 foi o mais negociado, com 291.580 contratos, equivalentes a R$ 26,730 bilhões (US$ 14,409 bilhões).

Na gestão da dívida pública, o Tesouro realizou a segunda etapa do leilão de Notas do Tesouro Nacional - Série B (NTN-B), que aconteceu via troca de títulos.

Amanhã, a agenda de indicadores será fraca no Brasil, com a divulgação apenas do Índice de Nível de Emprego Estadual e Regional da Indústria de São Paulo, referente a janeiro de 2010, pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host