UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

10/02/2010 - 12h52

Prêmios de risco têm leve alta na BM & F

SÃO PAULO - Pressionada por indicadores divulgados nesta manhã que mostram o aquecimento da economia brasileira, a curva de juros futuros esboça leve abertura na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), na jornada desta quarta-feira.

Entre os destaques do dia, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou que o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) avançou 0,98% na primeira leitura de fevereiro, ante alta de 0,27% apurada em igual período de janeiro.

Dos três componentes do IGP-M, destaque para o Índice de Preços por Atacado (IPA), que foi de 0,25% para 1,16% de aumento da primeira medição de janeiro para o mesmo intervalo de fevereiro. Mesma trajetória foi apresentada pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC), cuja alta saiu de 0,40% para 0,75%, e pelo Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que registrou acréscimo de 0,41% nesta prévia, aceleração ante a apuração de janeiro (0,07%).

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) ainda revelou que o nível de utilização da capacidade instalada (Nuci) da indústria brasileira subiu para 81,7% em dezembro de 2009, em termos dessazonalizados, ante os 81,3% registrados em novembro. Em dezembro de 2008, o percentual também era menor, de 79,4%. Na parte longa da curva, o Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2011, referência de mercado, registrava, há pouco, acréscimo de 0,01 ponto percentual, a 10,27%, enquanto o contrato de janeiro de 2012 operava estável, a 11,39%, assim como o do primeiro mês de 2013, a 11,88%.

Na parte curta da curva, o DI com vencimento em julho de 2010, que divide as apostas entre alta de juros no primeiro ou segundo semestre, projetava taxa de 9,17%, elevação de 0,02 ponto, enquanto o contrato para abril estava estável, a 8,695%.

" Vemos uma abertura bastante discreta dos DIs, que está relacionada em parte com os números um pouco mais fortes de inflação, e também com a alta do Nuci, já que, embora tenha sido pequena, mostra mais uma elevação. Não é boa notícia a combinação de inflação acelerada com capacidade instalada subindo " , comentou o analista econômico da Mercatto Investimentos, Gabriel Goulart.

Os contratos de juros futuros têm reagido menos aos indicadores econômicos domésticos nos últimos dias, com o mercado mais cauteloso, atento às divulgações externas.

"O mercado está mais parado, já que não há apenas os eventos internos, mas também os internacionais, que têm peso relevante. A indefinição ficou mais ampla, as incertezas aumentaram", pontuou Goulart.

Na gestão da dívida pública, o Tesouro realiza a segunda etapa do leilão de Notas do Tesouro Nacional - Série B (NTN-B), que acontece via troca de títulos.

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host