UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

11/02/2010 - 19h08

CVM se pronuncia sobre aluguel anormal de ações da Vale

SÃO PAULO - Questionada sobre a movimentação atípica com o aluguel de ações da Vale no dia de divulgação de balanço, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) afirmou apenas que "acompanha e analisa a movimentação dos papéis da companhia e adota as medidas devidas quando necessário".

Cabe lembrar que o aluguel de ações ajuda a medir a expectativa de baixa sobre os ativos de uma companhia, pois o investidor aluga as ações e vende no mercado à vista na esperança de recomprar os ativos mais baratos depois. Ou seja, o agente se expõe apostando ou antevendo uma queda brusca no preço dos ativos.

No pregão de quarta-feira (10), que antecedeu a divulgação dos resultados da mineradora, foi verificado um forte aumento no aluguel de ações PNA da Vale. Foram alugadas mais de 12,4 milhões de ações, uma posição que equivale a mais de R$ 400 milhões.

A constatação foi feita pelo diretor do portal InvestCerto, Luiz Rogé, que faz o acompanhamento diário dessas posições. Para ilustrar o quão grande foi o aluguel de ontem, o especialista apontou que nas últimas semanas, a variação diária dos aluguéis não passava de 800 mil ações.

Os resultados da mineradora, de fato, não agradaram e o papel começou o dia sob forte pressão vendedora. O papel PNA chegou a cair mais de 3%, valendo R$ 40,89 na mínima do dia. Acontece que no decorrer do pregão a pressão de venda foi perdendo força e as ações da mineradora acompanham a melhora geral do mercado até fechar o dia com alta de 1,89%, a R$ 43,00. O ativo ON também subiu, ganhando 2,34%, a R$ 49,69.

Do ponto de vista da estratégia, o agente ou os agentes que fizeram esse grande aluguel de ações da Vale podem ter perdido uma elevada quantidade de recursos, principalmente se não protegeram a venda a descoberto com o uso de opções. Já que o aluguel pressupõe a venda para recompra a menor preço e no final das contas os ativos subiram.

Rogé, que é especialista em opções, explicou uma forma de se fazer esse tipo de operação sem correr risco de alta da ação. A estratégia consiste em alugar o papel, fazer a venda a descoberto e ao mesmo tempo comprar uma opção de compra. "Isso se chama opção de venda sintética. O agente ganha dinheiro com a queda do papel sem correr o risco ilimitado no caso de alta do preço do ativo." (Eduardo Campos | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host