UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

12/02/2010 - 10h21

Bovespa deve começar o dia em baixa

SÃO PAULO - O bom humor que vinha pautando os negócios na semana esbarra em novas medidas restritivas na China. Isso já é captado pelo índice futuro da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Por volta das 10h20, o contrato com vencimento em fevereiro caía 0,93%, a 65.450 pontos.

O banco central da China anunciou novo aumento na taxa de depósitos compulsórios. Esta é a segunda vez no ano que o BC toma esse tipo de medida. Vale lembrar que, em meados de janeiro, a autoridade monetária chinesa acertou uma série de medidas para conter o avanço do crédito e, a cada um delas, o mercado se questionava sobre uma possível redução no ritmo de crescimento da economia chinesa.

Tal atuação do BC chinês parece mitigar a redução das incertezas que vinham da Europa, onde, depois de duas semanas, a União Europeia resolveu ajuda a Grécia.

Por enquanto, a reação mais forte é captada pelos mercados de câmbio e commodities onde o euro cai mais de 1% e o petróleo perde mais de 2%, operando abaixo dos US$ 74,00 o barril de WTI. Por aqui, o dólar comercial começou o dia sobre forte pressão compradora e, há pouco, ganhava 0,75%, a R$ 1,864 na venda. Toda vez que o dólar sobe, o preço das matérias-primas cai e a Bovespa perde valor já que os maiores componentes da bolsa são exportadores de commodities.

Em Wall Street, os futuros também apontam para baixo. Além das discussões envolvendo a China, os agentes aguardam os dados sobre as vendas no varejo e confiança do consumidor. Também saem números atrasados sobre os estoques de petróleo e derivados.

Na Europa, o FTSE-100, de Londres registrava queda de 0,20%, com bancos e mineradoras puxando as perdas. Já em Frankfurt, o Xetra-DAX apresenta alta de 0,30%. Hoje foi divulgado que o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro cresceu 0,1% no quarto trimestre, contra previsão de 0,3%. O avanço de 0,6% registrado pela França compensou as variações negativas registradas pela Grécia e Espanha e estagnação da Alemanha. Os mercados asiáticos não reagiram à notícia de maior compulsório na China, que só foi anunciada após o encerramento dos negócios. Xangai terminou com alta de 1,09%, enquanto Hong Kong caiu 0,11%. Vai levar uma semana para esses mercados voltarem a operar em função do feriado do Ano Novo Lunar. Ainda na região, Tóquio registrou valorização de 1,29%, enquanto Seul perdeu 0,26%.

No pregão de quinta-feira, a instabilidade foi elevada na primeira metade da sessão, mas as ordens de compra acabaram prevalecendo no período da tarde. Ao final da jornada, o Ibovespa registrava alta de 1,66%, aos 66.128 pontos. O giro somou R$ 6,97 bilhões.

Em Wall Street, os índices também encerraram com ganhos expressivos. O Dow Jones subiu 1,05%, enquanto o S & P 500 e o Nasdaq avançaram 0,97% e 1,38%, respectivamente.

(Eduardo Campos | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host