UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

17/02/2010 - 14h36

Após dois dias sem operar, real ganha força nos negócios

SÃO PAULO - Depois de dois dias sem operações no mercado brasileiro, o dólar perde força em relação ao real nos negócios desta quarta-feira. Com mínima de R$ 1,831 e máxima de R$ 1,839, a divisa americana recuava 1,07% há pouco, a R$ 1,837 na compra e a R$ 1,839 na venda.

Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), o dólar também registrava queda, de 0,83%, a R$ 1,8425. Na sexta-feira, o dólar comercial subiu 0,48%, pelo terceiro dia consecutivo, transacionado a R$ 1,857 na compra e a R$ 1,859 na venda.

A sessão de hoje, iniciada apenas às 13 horas, terá curta duração, em função do feriado de carnaval. Segundo o operador de renda fixa e câmbio do Banco Modal, Luiz Eduardo Portella, o movimento cambial desta quarta-feira reflete uma correção em relação às últimas sessões.

" O mercado brasileiro está corrigindo o movimento de segunda e terça-feira, quando o euro se valorizou bastante " , comentou. No front doméstico, o Boletim Focus do Banco Central (BC) revelou que as instituições financeiras mantiveram as previsões para a cotação do dólar ao fim de 2010 e de 2011, em R$ 1,80 e R$ 1,85, respectivamente. Para fevereiro, a projeção do mercado aumentou de R$ 1,82 para R$ 1,85.

O relatório ainda mostrou que os agentes esperam um superávit comercial de US$ 10 bilhões para a balança brasileira de 2010 e uma entrada de US$ 38 bilhões em investimento estrangeiro direto. As estimativas não apresentaram mudanças.

Para a conta corrente, a projeção das instituições é de déficit de US$ 50,05 bilhões. Antes, era esperado resultado deficitário de US$ 48 bilhões.

Nesta tarde, o foco do mercado está voltado à divulgação da ata do Federal Reserve (Fed), o banco central americano. O documento é relativo à reunião realizada no fim de janeiro, quando a taxa básica de juros do país foi mantida no intervalo de 0% a 0,25%.

" A ata poderá mexer mais ainda com as moedas, com a possibilidade de algum anúncio de retirada dos estímulos pelo Fed " , apontou Portella.

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host