UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

17/02/2010 - 20h04

Países não atingem meta de doação a regiões em desenvolvimento

SÃO PAULO - O auxílio a países em desenvolvimento vai atingir níveis recordes, em termos de dólares, em 2010, depois de crescer 35% desde 2004. No entanto, o montante ainda será menor do que os principais doadores do mundo prometeram há cinco anos, de acordo com um novo relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A África deve receber apenas cerca de US$ 12 bilhões dos US$ 25 bilhões que tinham sido previstos em um encontro realizado em 2005 em Gleneagles, na Escócia. Naquele ano, 15 países membros da União Europeia e também do Comitê de Assistência ao Desenvolvimento da OCDE se comprometeram a atingir um mínimo de 0,51% do Produto Interno Bruto (PIB) em assistência em 2010. Alguns países vão superar essa meta, como a Suécia, em primeiro lugar entre os doadores, com 1,03% do PIB; Luxemburgo, com 1%; e Dinamarca, com 0,83%. Outros, entretanto, ficarão aquém da expectativa. É o caso da França, com 0,46% do PIB; da Alemanha, com 0,40%; da Áustria, com 0,37%; de Portugal, com 0,34%; da Grécia, com 0,21%; e da Itália, com 0,20%. Outros países do comitê da OCDE se comprometeram a realizar doações e a maioria deve cumprir com sua promessa. Os Estados Unidos, por exemplo, garantiram que dobrariam sua ajuda para a África subsaariana entre 2004 e 2010 e está a caminho de atingir seu objetivo.

Já o Japão prometeu que doaria US$ 10 bilhões a mais no período entre 2005 e 2009, na comparação com os patamares que eram observados em 2004. Entretanto, em 2008, o país ainda estava a US$ 4 bilhões de cumprir sua palavra. Esses dados resultam em uma ajuda adicional de US$ 27 bilhões entre 2004 e 2010, mas com uma diferença de US$ 21 bilhões entre o que os doadores prometeram em 2005 e as estimativas da OCDE para o resultado de 2010. Dessa diferença, US$ 17 bilhões são consequência de doações menores do que o prometido e outros US$ 4 bilhões resultam de PIBs menores do que o esperado, por conta da crise econômica. (Karin Sato | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host