UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

18/02/2010 - 11h51

Ibovespa passa a operar no campo positivo e marca 67.822 pontos

SÃO PAULO - Logo após abrir os negócios no campo negativo, quando marcou mínima de 67.385 pontos, o Ibovespa teve força para zerar as perdas e passou a registrar valorização nesta sexta-feira.

Por volta das 12h10, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovesap) subia 0,20%, aos 67.822 pontos, e girava R$ 996 milhões. Na BM&F, o Ibovespa futuro, com vencimento em abril, estava praticamente estável, com o registro de 68.625 pontos.

Ontem, o Ibovespa havia registrado alta de 0,16%, aos 67.684 pontos.
Nos Estados Unidos, os índices futuros mostravam leve alta pela manhã, enquanto as bolsas europeias seguiam sem direção definida.

Apesar da ausência de indicadores econômicos nesta sexta-feira, a manhã se mostrou agitada aos investidores, 10 dias depois de ampliar as taxas de juros, o banco central da China elevou o compulsório bancário pela segunda vez neste ano.
A alíquota vai subir em 0,5 ponto percentual a partir do dia 24 deste mês, o que vai fazer com que os principais bancos do país mantenham 19,5% de seus depósitos em reservas e os pequenos e médios, 16%. A medida tem a intenção de reduzir a liquidez para controlar a inflação.
Hoje, os mercados ainda estão atentos ao desenrolar da primeira reunião ministerial do G-20, sob a presidência da França. O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Ben Bernanke, ainda fez um discurso em conferência realizada em Paris, no qual pediu a países com grandes superávits comerciais, como a China, que deixem suas moedas se valorizarem para ajudar a evitar outra crise financeira global.
Ao mesmo tempo, o dirigente do banco central americano está solicitando que países com déficits comerciais persistentes, como os Estados Unidos, reduzam seus déficits orçamentários e economizem mais.
Ambos os passos vão ajudar a equilibrar o fluxo de investimento e o comércio entre os países, afirmou Bernanke, em documento preparado para conferência financeira. O fluxo de capitais vai ser um dos tópicos do G-20. Bernanke e o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, vão representar os Estados Unidos.
Na cena corporativa, num pregão que antecede o vencimento de opções sobre ações, as ações do Ibovespa operavam divididas. Entre as chamadas "blue chips", minutos atrás, os papéis PN da Petrobras cediam 0,22%, a R$ 27,19, enquanto as ações PNA da Vale recuavam 0,51%, a R$ 50,35.

O diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, disse hoje que a empresa tem uma necessidade de caixa de mais R$ 17 bilhões para realizar investimentos no aumento de produção de petróleo e gás natural até 2014. Para solucionar esta equação, a companhia vai contar com fontes de financiamento como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e instituicões norueguesas.

Ao todo, a companhia vai precisar de R$ 96 bilhões de caixa para acompanhar o investimento decorrente do pré-sal até 2014, dos quais R$ 50 bilhões já foram equalizados pela capitalizacão realizada no mercado financeiro no ano passado.
Ainda no campo negativo, destaque para as ações Ultrapar PN (-0,92%, a R$ 25,65), Braskem PNA (-1,29%, a R$ 19,80) e Usiminas ON (-3,65%, a R$ 25,83).

Na direção contrária, as maiores altas do Ibovespa partiam dos papéis Brasil Foods ON (3,09%, a R$ 29,60), Cielo ON (2,95%, a R$ 13,23) e Redecard ON (2,57%, a R$ 21,09).

Matéria do Valor mostrou hoje que executivos da Brasil Foods contaram a investidores, durante reunião promovida pelo BTG Pactual, que gestores da Berkshire Hathaway, empresa de investimentos do bilionário americano Warren Buffett, visitaram o país e estiveram em unidades da empresa. Depois de conhecerem a companhia formada pela união de Sadia e Perdigão iniciaram compras das ações na bolsa.

Também em alta, as ações ON da BM&FBovespa subiam 1,34%, a R$ 12,06. A companhia encerrou 2010 com um lucro líquido de R$ 1,144 bilhão, resultado 29,9% superior aos R$ 881,1 milhões apurados em 2009. No quarto trimestre, o lucro líquido aumentou 18,8% sobre o mesmo trimestre de 2009, para R$ 261,467 milhões.

Fluxo externo
Ainda no mercado brasileiro, as vendas do estrangeiro na Bovespa já ultrapassaram suas compras em 15 pregões seguidos. Em fevereiro, até o dia 16, o saldo de atuação do investidor não residente no mercado acionário brasileiro estava negativo em R$ 2,144 bilhões, resultado do ingresso de R$ 28,152 bilhões e da saída de R$ 30,297 bilhões.
Mesmo na última quarta-feira, quando o Ibovespa subiu 1,85%, para 67.570 pontos, o saldo direto de negociação do estrangeiro ficou negativo em R$ 187,7 milhões. No acumulado do ano, o fluxo líquido do investidor não residente na Bovespa já está negativo em R$ 1,74 bilhão.

(Beatriz Cutait | Valor)
Hospedagem: UOL Host