UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/02/2010 - 11h07

Dólar cai, após leilão de swap reverso

SÃO PAULO - O dólar registra queda, mesmo depois de o Banco Central realizar um leilão de swap cambial reverso (operação que equivale a uma compra de dólares no mercado futuro) e outro no mercado à vista. No leilão de swap reverso realizado hoje, o BC ofertou 20 mil contratos com três datas distintas de vencimento, podendo movimentar até US$ 1 bilhão, já que o valor de cada contrato é de US$ 50 mil. O lote com vencimento em maio deste ano contou com até 6 mil contratos; outubro de 2011, com até 7 mil contratos; abril de 2012 também apresentou até 7 mil contratos. Em breve, deve ser divulgado o resultado. Cabe lembrar que já é maior a movimentação dos agentes para a formação da Ptax (média das cotações ponderada pelo volume), que liquidará os contratos futuros de março. Os agentes estão rolando posições de um vencimento para outro e o contrato de abril ganha liquidez. Assim, o preço do dólar sofre a influência do embate entre vendidos (que ganham com a desvalorização da moeda americana) e comprados (ganham com a alta da divisa). Segundo dados atualizados ontem pela BM&FBovespa, no mercado futuro de dólar, os investidores estrangeiros têm posição vendida de US$ 6,02 bilhões, ao passo que os bancos estão comprados em US$ 3,95 bilhões. Colocando na conta a posição em cupom cambial (DDI - juro em dólar), o estoque vendido do não residente sobe a US$ 11,64 bilhões. Na ponta oposta estão os bancos, com posição comprada total de US$ 8,69 bilhões.

O gerente de câmbio da Fair Corretora, José Roberto Carreira, explica que a formação da Ptax está pesando mais sobre os preços do dólar hoje do que os leilões promovidos pela autoridade monetária. "Nos últimos dias dos meses, os agentes têm puxado o dólar para baixo, porque os bancos não têm interesse na alta da Ptax. Esse movimento teve início ontem mesmo. O mercado está muito vendido", analisa. Além disso, ele vê um interesse cada vez menor dos investidores nos swaps reversos. "Acredito que essa operação do BC (swap cambial reverso) esteja meio micada (com menor demanda), uma vez que não há tantos tomadores desse papel no mercado", explica Carreira. Entre as notícias relevantes do dia, a economia americana registrou crescimento a uma taxa anualizada de 2,8% no quarto trimestre de 2010. O resultado ficou abaixo daquele informado anteriormente para o período, de expansão de 3,2%, e da expectativa do mercado. O Departamento do Comércio do país recordou que, entre julho e setembro daquele ano, o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos tinha avançado 2,6%.

Há pouco, o dólar comercial estava a R$ 1,660 na compra e a R$ 1,662 na venda, queda de 0,12%. No mercado futuro, os contratos de março negociados na BM&F recuavam 0,18%, a R$ 1,661. Os contratos de abril registravam depreciação de 0,20%, a R$ 1,673, instantes atrás. No mercado de câmbio externo, ainda não há uma tendência clara para a moeda americana, que está ganhando de algumas divisas rivais e perdendo de outras. Minutos atrás, o euro tinha desvalorização de 0,45% ante o dólar, a US$ 1,3728. Os conflitos na Líbia ainda preocupam os investidores, mas as bolsas mostram uma reação. Em Tóquio, o índice Nikkei 225 encerrou a sessão com alta de 0,71%, para 10.526,80 pontos. Em Hong Kong, o índice Hang Seng ganhou 1,82%, aos 23.012,40 pontos, enquanto em Xangai, o Shanghai Composite ficou estável em 2.878,56 pontos.

Na Europa, instantes atrás, o londrino FTSE-100 subia 1,40%. O CAC-40, de Paris, tinha alta de 1,70%, enquanto o DAX, de Frankfurt, ganhava 0,8%. Em Wall Street, o Dow Jones avançava 0,48% e o S&P 500 registrava aumento de 0,78%. Por aqui, o Ibovespa registrava ganho de 0,50%, aos 67.284 pontos. O preço do petróleo é outro foco de atenção dos agentes do mercado. Há pouco, em Londres, o Brent para abril recuava US$ 0,03, para US$ 111,33. Em Nova York, o WTI para abril marcava US$ 97,15, com leve aumento de US$ 0,13. O índice CRB, que mede o desempenho das commodities, operava perto da estabilidade, com leve retração de 0,02%. (Karin Sato | Valor)
Hospedagem: UOL Host