UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

26/02/2010 - 19h22

IRB-Brasil lucra R$ 370,4 milhões em 2009

RIO - A resseguradora IRB-Brasil Re fechou 2009 com lucro líquido de R$ 370,4 milhões no ano passado, uma alta de 2,67% em relação ao ganho do ano anterior. Mesmo com a abertura do mercado de resseguros no país, o IRB-Brasil terminou o ano com 80% dos prêmios emitidos pelos resseguradores locais.

A companhia ressaltou, em nota, que conseguiu manter o volume de prêmios de resseguros estável em 2009, com R$ 2,914 bilhões, uma redução de 8,78% se comparado com o exercício anterior. Analisando somente os prêmios retidos, a diferença também foi pequena, com R$ 1,587 bilhão em 2009, contra R$ 1,536 bilhão em 2008, fruto da perda de market share em decorrência da abertura do setor no Brasil.

Segundo a empresa, a revisão da política de subscrição e gestão de riscos da companhia também contribuiu para o resultado positivo.

"Em ambiente concorrencial, o IRB-Brasil Re optou por assumir, em diversas ofertas, frações do risco, em vez de acatá-lo integralmente, como fazia na época do monopólio. O sucesso da estratégia pode ser comprovado tanto pelo resultado operacional quanto pelo índice de sinistralidade dos riscos retidos", disse, em nota, a companhia.

O resultado operacional em 2009 foi de R$ 390,4 milhões, o que representa um aumento de 191,02% em relação ao exercício anterior. O principal motivo do crescimento, segundo o IRB-Brasil, foi a qualidade do risco assumido, já que o cálculo do resultado operacional envolve o volume de sinistros retidos, de R$ 983,4 milhões em 2009, contra R$ 1,208 bilhão no ano anterior.

O índice de sinistralidade dos riscos retidos pelo IRB-Brasil no ano passado foi de 61,78%, uma redução de 14,47 pontos percentuais em relação a 2008. A empresa creditou a queda à menor severidade de sinistros observada no país e à política de subscrição e gestão de riscos adotada.

Já o resultado financeiro de 2009 foi de R$ 324,1 milhões, uma redução de 51,32% em relação ao exercício de 2008, puxada, segundo a resseguradora, pela redução da taxa Selic e pela variação cambial.

A redução do índice de sinistralidade levou a uma queda de 11,37% das reservas técnicas realizadas, para R$ 6,359 bilhões.

(Rafael Rosas | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host