UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

01/03/2010 - 17h18

Dólar descola do mercado externo e inicia março em queda

SÃO PAULO - O primeiro dia de março foi marcado por uma sessão de perda do dólar em relação ao real. O movimento travado pela moeda americana foi na direção contrária à verificada contra o euro e a libra, e levou a divisa a valer menos de R$ 1,80.

Com mínima de R$ 1,795 e máxima de R$ 1,816, o dólar comercial fechou a sessão em baixa de 0,49% ante o fechamento de sexta-feira, a R$ 1,796 na compra e a R$ 1,798 na venda. Este foi o menor preço desde o dia 20 de janeiro deste ano (R$ 1,793).

Na roda de "pronto" da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), o dólar caiu 0,32%, para R$ 1,7965. O volume subiu de US$ 48,5 milhões, na sexta-feira, para US$ 143,25 milhões hoje. Já os negócios no interbancário caíram de US$ 4 bilhões para US$ 2,7 bilhões, no mesmo período.

O Banco Central (BC) só realizou leilão de compra de dólar no mercado à vista no fim da jornada e a taxa de corte da operação correspondeu a R$ 1,7960.

O diretor de câmbio da corretora Pioneer, João Medeiros, assinala que o movimento do dólar no mercado doméstico esteve relacionado à valorização das commodities e da Bolsa brasileira. O destaque do dia foi a apreciação do cobre, resultado do terremoto ocorrido na madrugada do último sábado no Chile.

Divulgado nesta manhã, o Boletim Focus, do Banco Central (BC), não trouxe mudanças em relação às previsões dos agentes de mercado para a taxa de câmbio em dezembro de 2010, já que a estimativa foi mantida em R$ 1,80 pela terceira semana. Para o fim de 2011, a previsão subiu de R$ 1,85 para R$ 1,87. Para março, as instituições diminuíram levemente sua projeção para a taxa, de R$ 1,83 para R$ 1,82.

A expectativa dos agentes para o déficit em conta corrente a ser registrado neste ano também se manteve em US$ 50 bilhões, enquanto a estimativa para o déficit de 2011 passou de US$ 56,4 bilhões para US$ 57,9 bilhões.

Na avaliação do mercado, a balança comercial brasileira deve ter superávit de US$ 10 bilhões em 2010, número mantido pela quinta semana. Para o próximo calendário, os agentes elevaram sua previsão, de US$ 1,60 bilhão para US$ 2,8 bilhões.

A estimativa para o Investimento Estrangeiro Direto (IED) não foi alterada nem para este ano (US$ 38 bilhões), nem para o próximo (US$ 40 bilhões), pela quinta semana.

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) ainda revelou que a balança comercial brasileira encerrou fevereiro com saldo positivo de US$ 394 milhões. Em 18 dias úteis, as vendas externas somaram US$ 12,197 bilhões, média diária de US$ 677,6 milhões, e as compras corresponderam a US$ 11,803 bilhões, média de US$ 655,7 milhões por dia útil.

Em fevereiro de 2009, também com 18 dias úteis, havia sido registrado superávit comercial de US$ 1,761 bilhão, em consequência de exportações de US$ 9,586 bilhões e importações de US$ 7,825 bilhões.

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host