UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

05/03/2010 - 14h11

Mercedes-Benz vai usar recursos do BNDES para expandir produção

SÃO PAULO - A operação brasileira da Mercedes-Benz assinou hoje contrato de financiamento de R$ 1,2 bilhão com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para dar suporte ao seu plano de investir R$ 1,5 bilhão até 2012.

Do total liberado pelo banco de fomento, 60% irá para o aumento da capacidade instalada da fábrica da montadora em São Bernardo do Campo, que chegará a 75 mil unidades, entre caminhões e ônibus, nos próximos 18 meses. Hoje, a unidade tem capacidade para produzir 65 mil veículos comerciais.

Outros 30% dos recursos irão para o desenvolvimento de produtos, incluindo motores que vão atender as exigências do Programa de Controle da Poluição do Ar Por Veículos Automotores, a entrar em vigor em 2012.

A parcela remanescente do financiamento será destinada a projetos ligados a meio ambiente e programas sociais.

Durante cerimônia da assinatura do contrato com o BNDES, o presidente da Mercedes-Benz do Brasil, Jürgen Ziegler, afirmou que o plano de expansão da empresa segue a expectativa de crescimento ao redor de 15% do mercado brasileiro de veículos comerciais.

"Nós vemos o mercado voltando a crescer", disse o executivo. Para 2010, a Mercedes-Benz do Brasil espera vendas de 68 mil unidades - entre mercado interno e exportações. Se confirmado, o volume ficará 32% acima das 51,5 mil unidades de 2009. Para caminhões, a expectativa é exportar 4 mil unidades em 2010, após vender 3 mil unidades no ano passado. Na mesma base de comparação, as vendas externas de ônibus da montadora deverão passar de 6,5 mil para 12 mil unidades.

Visando atender a esta demanda, a Mercedes-Benz deverá operar acima de sua capacidade instalada atual. Neste sentido, a empresa já prevê jornada extras de trabalho. A montadora informou ainda que tem planos de aumentar sua participação no mercado brasileiro de caminhões de 28,5% em 2009 para 30% neste calendário. No segmento de ônibus, a intenção ampliar a fatia no país de 48% para 50%.

(Eduardo Laguna | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host