UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

12/03/2010 - 12h29

Bolsas invertem rumo após divulgação de índice de confiança nos EUA

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) chegou a testar os 70 mil pontos pelo quarto dia seguido, mas não resistiu e começou a perder força após a abertura do mercado americano.

A divulgação do índice de confiança do consumidor nos Estados Unidos foi o fator determinante para o Ibovespa mudar de direção, acompanhando o desempenho das bolsas americanas.

Por volta das 12h20, o índice recuava 0,13%, a 69.795 pontos, com giro de R$ 1,65 bilhão. Na máxima da sessão, o Ibovespa chegou a 70.486 pontos.

Em Wall Street, as bolsas abriram com valorização, mas já registram perdas. Há pouco, o índice Dow Jones declinava 0,04%, enquanto o Nasdaq perdia 0,27% e o S & P 500 se depreciava em 0,19%.

Os agentes reagem aos dados preliminares divulgados pela Universidade do Michigan, que informou que a confiança do consumidor nos Estados Unidos caiu no começo deste mês. O indicador que mede esse sentimento ficou em 72,5 em março, ante os 73,6 de fevereiro. Alguns economistas previam melhora na leitura deste mês, para uma marca de 74.

Até a divulgação desses dados, o tom otimista era norteado pelos números positivos divulgados nesta manhã pelo Departamento do Comércio dos Estados Unidos, que revelou que as vendas no varejo registraram acréscimo de 0,3% de janeiro para fevereiro, na série com ajuste sazonal. No confronto com fevereiro de 2009, as vendas varejistas tiveram elevação de 3,9%.

Excluindo veículos, o Departamento do Comércio dos EUA apontou acréscimo de 0,8% no comércio varejista no mês passado. Alguns agentes previam queda de 0,2% a estabilidade nas vendas varejistas em fevereiro e alta de 0,1% sem veículos.

Dentre as principais ações do Ibovespa, os destaques de alta estavam com os papéis da Petrobras, que avançavam 0,16%, a R$ 37,11, e com as ações Vale PNA, que tinham alta de 0,04%, a R$ 46,70. No sentido contrário, as ações PN do Itaú Unibanco apresentavam queda de 1,23%, a R$ 37,53.

Entre as empresas que divulgaram seus balanços de 2009, está a Eletropaulo, que fechou o ano com lucro líquido de R$ 1,063 bilhão, valor 3,5% superior ao de 2008. De acordo com a companhia, o resultado inclui impactos positivos de R$ 298 milhões derivados da adesão da companhia ao Refis - programa de parcelamento de débitos fiscais. No quarto trimestre, o ganho da distribuidora de energia caiu 1,1% perante o mesmo intervalo de 2008, para R$ 525,6 milhões. O conselho de administração da empresa aprovou a realização de duas emissões de debêntures. As operações estão em análise prévia pela Ambima. Serão duas tranches de R$ 400 milhões cada, de papéis não conversíveis em ações.

Há pouco, os papéis PNB da companhia subiam 0,43%, a R$ 39,50.

No setor aéreo, a GOL lucrou R$ 397,8 milhões no quarto trimestre de 2009, revertendo o prejuízo de R$ 541,6 milhões apurado em igual trimestre de 2008. O balanço da companhia segue o padrão contábil internacional (IFRS).

Em seu comentário de desempenho, a GOL explicou que o lucro do trimestre foi impulsionado pela utilização de créditos fiscais de R$ 352,0 milhões, reconhecidos na linha de imposto de renda e contribuição social, decorrentes de prejuízos fiscais da Varig, comprada pela companhia em 2007.

Minutos atrás, as ações PN da Gol estavam entre as maiores altas do Ibovespa, ao subirem 0,65%, a R$ 24,54.

Já o frigorífico JBS revelou que encaminhou à Ambima solicitação de análise prévia de pedido de registro de oferta pública de ações ordinárias. O montante de papéis que será ofertado ainda não foi definido e o preço das ações será fixado após a coleta de intenções de investimento.

A empresa fechou o quarto trimestre de 2009 com lucro líquido de R$ 127,9 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 53,2 milhões de igual trimestre de 2008. No acumulado do ano passado, o resultado líquido foi positivo em R$ 129,4, milhões, bem acima do lucro de R$ 25,9 milhões de 2008. Na divulgação dos resultados, o presidente da JBS S.A, Joesley Batista, comentou que o lançamento de ações estava entre as opções de financiamento para o projeto de expansão da área de distribuição de produtos.

No sentido contrário ao do Ibovespa, as ações ON da companhia recuavam 0,54% minutos atrás, a R$ 9,08.

A OGX Petróleo, cujos papéis foram o destaque de alta do Ibovespa no último pregão, identificou a presença de hidrocarbonetos em poço localizado no bloco BM-C-41, em águas rasas da parte sul da Bacia de Campos.

No pregão desta sexta-feira, os papéis da petrolífera seguem no campo positivo, com alta de 0,78% há instantes, negociados a R$ 17,94. As ações ainda apresentam o maior volume negociado, com giro de R$ 213,9 milhões.

No câmbio, as ordens de venda de dólar continuam a dar o tom dos negócios, pela quarta sessão consecutiva. Com mínima de R$ 1,758 e máxima de R$ 1,767, há pouco, a moeda americana declinava 0,16%, a R$ 1,767 na venda.

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host