UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

18/03/2010 - 15h32

Bolsas europeias recuam na esteira das preocupações com a Grécia

SÃO PAULO - As bolsas europeias recuaram nesta quinta-feira com a volta das preocupações a respeito da situação da Grécia, que acabaram ofuscando indicadores positivos nos EUA.

O FTSE 100, de Londes, recuou 0,04% para 5.643 pontos, o DAX alemão perdeu 0,20%, para 6.012 pontos e CAC 40, de Paris, fechou aos 3.938 pontos, com baixa de 0,50%.

O premiê grego George Papandreou voltou a afirmar que Atenas poderá apelar ao Fundo Monetário Internacional (FMI) se os europeus não concordarem em ajudar o país no encontro que acontece na próxima semana.

Ao comparecer no Parlamento Europeu, o primeiro-ministro insistiu que não quer dinheiro de seus sócios europeus, mas que os representantes da União Europeia aprovem um pacote de possíveis empréstimos.

A declaração acabou desviando a atenção dos investidores, que parecem não ter levado em conta indicadores positivos divulgados do outro lado do Atlântico. O índice de preços ao consumidor americano registrou variação nula em fevereiro, depois de acréscimo de 0,2% em janeiro. Os novos pedidos de seguro-desemprego nos EUA somaram 457 mil na semana passada, um declínio de 5 mil solicitações sobre a semana anterior. Já o Conference Board mostrou que o índice dos indicadores antecedentes teve alta de 0,1% no mês passado, seguindo elevação de 0,3% em janeiro. O indicador sugere a direção da economia nos próximos três meses a seis meses.

Voltando à Europa, os bancos concentraram as baixas, com destaque para as instituições gregas. EFG Eurobank perdeu 7,1% e o Pireus caiu 5,3%. O Banco Nacional da Grécia recuou 6% depois de apresentar um lucro 40% menor em 2009, de 923 milhões de euros.

A companhia de energia italiana Enel também apresentou resultados hoje. O lucro subiu 1,9%, para 5,34 bilhões de euros, impulsionado por um ganho não recorrente de 970 milhões de euros com a venda de ativos para a Acciona. As ações da Enel caíram 1,85%.

Entre as maiores altas, Adidas disparou 3,56% e Nike ganhou 5,4%. A Nike dobrou seu lucro para US$ 496 milhões no trimestre encerrado em fevereiro, superando as expectativas dos analistas. As perspectivas da empresa também estão boas, como evidenciaram os pedidos futuros, um indicador de crescimento na vendas baseado nas estimativas de encomendas, que avançou 9%, para US$ 7,1 bilhões.

(Téo Takar | Valor, com agências internacionais)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host