UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

19/03/2010 - 19h36

Aécio deixa governo de Minas Gerais no dia 31

SÃO PAULO - O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), adiantou hoje que vai se desincompatibilizar do cargo no dia 31 de março para poder concorrer ao Senado nas eleições de outubro. A Justiça Eleitoral determina que todos os candidatos com cargo público devem deixá-los até o dia 3 de abril.

Aécio será substituído pelo vice, Antonio Anastasia, que será o candidato tucano na corrida ao Palácio da Liberdade. O governador mineiro disse que pretende tirar alguns dias de folga após deixar o governo.

Apesar disso, garantiu que estará presente no lançamento da pré-candidatura à Presidência do governador paulista, José Serra (PSDB), no dia 10 de abril, em Brasília.

"Estarei lá como mais um soldado do partido, levando a força de Minas e o meu entusiasmo em torno da candidatura do nosso companheiro, governador de São Paulo", afirmou Aécio.
Segundo ele, o PSDB deve, nas eleições, olhar para o futuro, considerando os avanços obtidos até o momento apenas como a base das conquistas.
"Isso é muito mais adequado e importante para as pessoas do que essa eleição plebiscitária, na qual alguns querem apostar, que vai ficar quase que como numa gincana, fazer uma disputa de quem fez mais, se foi FHC (Fernando Henrique Cardoso) ou se foi Lula", opinou.

O tucano, porém, admitiu que o PSDB terá dificuldades para conquistar o eleitorado nas regiões Norte e Nordeste, consideradas redutos políticos do presidente Lula. "Isso é notório. Basta apenas analisar as pesquisas ou mesmo visitar aquela região.
Nós temos que ter um discurso também para essa região, que não negue o que foi feito", observou Aécio, salientando avanços obtidos na atual gestão.

"Eu, dentro do meu partido, rejeito muito a tese de alguns de que nós devemos negar tudo o que foi feito a partir de 2003. Não, o Brasil avançou. Mas não existiria o governo do presidente Lula como existe hoje se não tivesse havido o governo do presidente Fernando Henrique, ou do presidente Itamar", concluiu.

(Fernando Taquari | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host