UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

08/04/2010 - 18h15

Bovespa avança e se aproxima dos 72 mil pontos

SÃO PAULO - Em um pregão movimentado pelos acontecimentos internacionais, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operou em baixa ao longo da primeira etapa dos negócios, mas voltou a apresentar ganhos no início da tarde, antes mesmo da virada do mercado americano.

Depois de oscilar entre 70.461 pontos e 71.805 pontos, o Ibovespa encerrou as operações com valorização de 1,40%, aos 71.784 pontos. Com este desempenho, o índice renovou a máxima do ano e voltou para a maior pontuação desde 2 de junho de 2008 (71.897). O giro financeiro atingiu R$ 6,783 bilhões. Na semana, o Ibovespa acumula ganho de 0,91%.

"O mercado está confirmando o patamar de 71 mil pontos, rompendo a resistência. A tendência de curto prazo é positiva e os 85 mil pontos previstos pelo mercado ao fim do ano seria um patamar razoável para o Ibovespa", afirmou o diretor de operações da Hera Investimentos, Nicholas Barbarisi.

Em Wall Street, o índice Dow Jones registrou alta de 0,27%, enquanto o Nasdaq teve ganhos de 0,23% e o S & P 500 subiu 0,34%.

O pessimismo dos agentes tomou conta dos mercados pela manhã, com o foco retornando à Grécia. O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, entretanto, afastou a perspectiva de que o país não cumpra com seus pagamentos e disse que não há motivos para não se confiar que o plano acertado para socorrer Atenas possa ser implementado caso haja necessidade.

"O default não é uma opção para a Grécia", disse Trichet. "Repito que o que é importante é a iniciativa que está sendo tomada e implementada pelo governo e Parlamento gregos", acrescentou.

Nos Estados Unidos, o humor dos investidores também foi afetado pelos dados do mercado trabalhista. Os novos pedidos de seguro-desemprego no país aumentaram inesperadamente em 18 mil na semana fechada em 3 de abril, na comparação com uma semana antes, para 460 mil.

A melhora ocorreu com a divulgação de um aumento das vendas do setor varejista americano em março e também com a forte demanda por títulos do Tesouro.

O leilão de T-notes de 10 anos da última quarta-feira, cuja oferta somou US$ 21 bilhões, apresentou a maior demanda dos últimos 16 anos. Com isso, os títulos de prazo mais longo apresentaram o maior ganho em seis semanas.

Nesta sessão, os papéis do Tesouro recuaram, depois que o governo americano vendeu US$ 13 bilhões em títulos de 30 anos, o último dos quatro leilões de títulos e notes desta semana, que totalizaram US$ 82 bilhões.

No front corporativo doméstico, a queda dos preços das commodities não impediu as empresas dos setores de siderurgia e mineração de apresentarem ganhos. Entre as blue chips, as ações PNA da Vale, que movimentaram R$ 933,7 milhões, subiram 1,49%, a R$ 50,95.
"Os papéis da vale subiram com a expectativa de que os reajustes e as vendas de minério no mercado spot possam trazer ganhos de receita maiores que o esperado para a empresa", comentou Barbarisi.

Também apresentaram valorização expressiva os papéis ON e PNA da Usiminas, que avançaram 2,8% e 2,13%, respectivamente cotados a R$ 62,2 e a R$ 61,23.

Já as ações PN da Petrobras tiveram leve alta de 0,02%, a R$ 35,81, e giraram R$ 485,2 milhões. Também no setor petrolífero, os papéis ON da OGX Petróleo se apreciaram em 2,20%, a R$ 17,60, com volume negociado de R$ 296,5 milhões.

A empresa acusou hoje a presença de hidrocarbonetos em seção do poço 1-OGX-7A-RJS, localizado no bloco BM-C-42, na Bacia de Campos.

Entre as maiores altas do Ibovespa estiveram os papéis de empresas do setor de construção, que reagiram às perdas recentes. Enquanto as ações ON da PDG Realty avançaram 5,6%, a R$ 15,26, os papéis ON da MRV subiram 5,29%, a R$ 12,52. Além disso, os papéis ON da JBS se apreciaram em 4,56%, a R$ 8,24.

Também figuraram entre as maiores valorizações as ações PN da Gol, que subiram 4,01%, a R$ 23,84.

A companhia aérea reportou crescimento de 36,8% no movimento de passageiros em seus voos no mês passado, em relação ao mesmo mês de 2009.
No setor bancário, o destaque ficou com os papéis PN do Itaú Unibanco, que registraram ganhos de 3,57%, a R$ 39,98.

A instituição financeira fechou uma emissão de US$ 1 bilhão em bônus de 10 anos. Os papéis terão rentabilidade (yield) de 6,261%, segundo fontes que acompanharam a operação.

Entre as principais baixas do Ibovespa figuraram os papéis Klabin PN, com recuo de 2,09%, a R$ 5,60, Net PN, com baixa de 1,85%, a R$ 22,20, e Natura ON, com desvalorização de 1,84%, a R$ 36,1.

Reportagem publicada na edição desta quinta-feira do Valor mostrou que a empresa está prestes a enfrentar um grande desafio de comunicação: a saída de um dos seus principais executivos para a política. O fundador e copresidente do conselho de administração da Natura, Guilherme Leal, já foi anunciado pela candidata Marina Silva como o provável candidato a vice na sua chapa para a Presidência da República pelo PV.

Fora do Ibovespa, o destaque desta jornada veio dos recibos de ações da Laep, que disparam 6,99%, a R$ 1,53. O mercado ficou animado com a notícia de que a Parmalat conseguiu reduzir no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) o valor de uma multa de R$ 14 bilhões para R$ 12 milhões.

Já os papéis ON da Positivo Informática caíram 0,15%, a R$ 18,76, depois de terem avançado 6,45% no pregão passado. Ontem, a empresa negou que esteja negociando a venda de seu controle para a chinesa Lenovo. Comentários envolvendo as duas companhias têm sido recorrentes no mercado.

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host