UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

15/04/2010 - 16h39

Jim O ' Neill defende que Brics usem moeda local em acordos comerciais

SÃO PAULO - O economista chefe do Goldman Sachs, Jim O''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''Neill, defendeu hoje a ideia de que os Brics possam deixar de lado o dólar para permitir que seus importadores e exportadores negociem acordos comerciais em suas moedas locais.

Criador do acrônimo Brics (conjunto de países formado por Brasil, Rússia, Índia e China), ele classifica a discussão sobre o assunto como sensata, sobretudo ao considerar os atuais desequilíbrios existentes na economia mundial.
"Parte deste problema está no fato de que, após a crise, o dólar permanece mais importante do que a economia dos Estados Unidos", afirmou O''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''Neill, em videoconferência realizada hoje pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP).

Segundo o economista, o Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano responde por 30% do crescimento mundial, enquanto o dólar representa cerca de 70% das reservas internacionais.
Por isso, ele argumenta que a utilização de moedas locais teria o papel de ampliar a corrente de comércio entre os quatro grandes emergentes.

"Os Brics, então, precisam desenvolver iniciativas para permitir e encorajar a utilização de suas próprias moedas para o comércio bilateral entre eles", reiterou o economista, ressaltando que os países do bloco seriam obrigados a realizar ajustes para para tornar viável o novo sistema.
O uso de moedas locais, no entanto, não foi bem avaliado pelo diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Pascal Lamy."Estranho a posição, mas a verdade é que a opinião de Lamy não quer dizer nada", acrescentou O''''''''''''''''''''''''''''''''Neill.
Ele também avaliou que a China deve, de fato, valorizar o yuan em breve, como pressiona os Estados Unidos. A medida, porém, seria um processo natural em meio a um aumento da demanda interna e um crescimento acelerado. Ou seja, a flexibilização da moeda chinesa não seria fruto de pressões do presidente norte-americano, Barack Obama.
O''''''''Neill ainda propôs uma mudança na estrutura do G-7 (grupo das sete economias mais desenvolvidas), hoje formado por Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Canadá.
Segundo ele, os Brics devem ser introduzidos ao conjunto de países mais ricos, à medida que serão cada vez mais responsáveis pelo crescimento da economia mundial.

Neste contexto, o novo G-7 seria composto por Estados Unidos, Japão, União Europeia e os quatros membros do Brics.

(Fernando Taquari | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host