UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

19/04/2010 - 18h12

Ibovespa tem terceira baixa seguida e encosta nos 69 mil pontos

SÃO PAULO - No terceiro pregão seguido de queda, o Ibovespa teve um desempenho pressionado pelos papéis do setor de siderurgia e mineração, que refletiram a baixa dos preços das commodities, mas defendeu a linha dos 69 mil pontos.

As preocupações em relação à acusação de fraude financeira contra o Goldman Sachs continuaram a mexer no humor dos agentes, que estão atentos a novos desdobramentos do caso.

Descolado das bolsas americanas, o Ibovespa, que oscilou entre 68.377 e 69.431 pontos, recuou 0,47%, aos 69.097 pontos, novamente na menor pontuação desde o dia de 26 março (68.682 pontos). O índice recuou nos últimos três pregões, período em que acumulou perda de 2,73%.

A baixa de hoje só não foi maior por conta do desempenho dos papéis PN da Petrobras, que giraram R$ 794,9 milhões, com valorização de 1,82%, a R$ 33,55. Na última semana, as ações acumularam perda de 6,5%.

Além disso, as ações ON da OGX Petróleo subiram 1,87%, a R$ 18,45, com volume movimentado de R$ 384,5 milhões.

O giro financeiro do mercado atingiu R$ 11,507 bilhões, maior valor desde o dia 16 de dezembro de 2009 (R$ 16,9 bilhões). O volume, entretanto, foi inflado pelo vencimento de opções sobre ações, que movimentou R$ 5,28 bilhões.
Nos Estados Unidos, o índice Dow Jones subiu 0,67%, aos 11.092,05 pontos, enquanto o Nasdaq teve queda de 0,05%, aos 2.480,11 pontos, e o S & P 500 avançou 0,45%, aos 1.197,52 pontos.

"O mercado segue cauteloso sobre o que pode surgir em relação ao Goldman Sachs, não só com o evento em si, mas com o grau de confiança dos investidores como um todo. Quando surgem notícias como essa, o pessoal pisa no freio", comentou o analista de renda variável do Paraná Banco Asset Management, Leonardo Deeke Boguszewski.

Com um balanço trimestral melhor que o esperado, o Citigroup contribuiu para segurar o mercado americano no campo positivo.

O primeiro trimestre de 2010 da instituição financeira foi marcado por um lucro atribuível aos detentores de ações ordinárias de US$ 4,428 bilhões. Um ano antes, houve prejuízo, de US$ 966 milhões. Nos três últimos meses de 2009, a perda apurada correspondeu a US$ 7,766 bilhões.

De acordo com o Citigroup, o resultado refletiu uma receita melhor, disciplina nos gastos e custos menores do crédito.

"O sistema como um todo está funcionando. Em relação aos resultados divulgados, o mercado não tem do que reclamar", apontou o analista do Paraná Banco Asset Management.

No ambiente doméstico, destaque negativo para os papéis PNA da Vale, que recuaram 0,67%, a R$ 50,23, com giro financeiro de R$ 950,1 milhões. As ações ON da companhia ainda perderam 1,75%, a R$ 57,5, assim como os papéis Usiminas PNA se desvalorizaram em 2,52%, a R$ 58,57, Gerdau PN caiu 2,2%, para R$ 29,28, e CSN ON teve queda de 2,15%, para R$ 33,56.

Também figuraram entre as maiores baixas do Ibovespa as ações Telemar ON, com queda de 3,36%, a R$ 33,3, MRV ON, com desvalorização de 2,9%, a R$ 11,69, e TAM PN, com recuo de 2,82%, a R$ 31.

Das ações que integram o Ibovespa, 19 apresentaram ganhos no pregão, com destaque para os papéis ON da LLX Logística, com valorização de 2,4%, para R$ 8,53, e Net PN, com apreciação de 2,24%, a R$ 21,39.

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host