UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

28/04/2010 - 17h13

Braskem e Pequiven preparam cortes em projetos na Venezuela

SÃO PAULO - A Braskem e estatal petroquímica venezuelana Pequiven decidiram reavaliar projetos em conjunto na Venezuela, com a finalidade de reduzir o custo dos investimentos.

Em 15 dias, serão iniciados estudos para um novo modelo do projeto Propilsur, que prevê a instalação de uma unidade de polipropileno.

As duas empresas vão avaliar a mudança do local do projeto para aproveitar o fornecimento de matéria-prima (propeno) por uma unidade da Pdvsa no Complexo de Refinação de Paraguaná, no estado de Falcón.

O projeto original da Propilsur previa a construção no Complexo Industrial de Jose, no estado de Anzoátegui, e a unidade seria abastecida por uma planta própria de propeno.

Sem a necessidade de investir em uma unidade de matéria-prima, o aporte no projeto, estimado em cerca de US$ 1 bilhão, cairia pela metade, o que poderá facilitar a obtenção de financiamento. Segundo a Braskem, o fornecimento da matéria-prima pela PDVSA deverá ser suficiente para construir uma planta com capacidade para 300 mil toneladas por ano de polipropileno, menor do que previa o projeto original (450 mil toneladas).

De acordo com a empresa, as mudanças permitirão manter o plano de iniciar a operação da unidade em 2013.

A Braskem e a Pequiven também concordaram em suspender por um ano o projeto Polimerica, que, na versão original, previa US$ 3 bilhões para a implantação de três unidades de polietileno, com capacidade aproximada de 1,1 milhão de toneladas anuais, integradas a uma unidade de eteno.

O projeto também estava previsto para o complexo de Jose, mas as empresas querem avaliar condições e possibilidades de suprimento de matéria-prima também pelo Complexo Paraguaná."Essa opção poderia ser mais competitiva que a escolha inicial", diz a Braskem, em nota. Caso prevaleça a decisão de mudar a fonte de insumo, as operações poderão ter início em 2015.

Um memorando sobre as alterações nos projetos deverá ser assinado hoje pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu colega venezuelano Hugo Chávez em encontro em Brasília.

Na reunião, também será assinado um aditivo ao contrato de fornecimento de nafta pela PDVSA à Braskem, ampliando o prazo por mais dois anos e o volume mensal de 500 mil barris para 750 mil barris.

Será formalizado ainda um memorando de entendimentos para que a Braskem forneça resinas e petroquímicos básicos à Pequiven, informa a companhia petroquímica brasileira.

(Eduardo Laguna | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host