UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

28/04/2010 - 16h23

Despesas financeiras pressionam resultados da Net no trimestre

SÃO PAULO - As despesas com juros da dívida e os impactos do câmbio foram fatores que pesaram nos resultados da Net no primeiro trimestre.
Conforme informaram hoje os executivos da companhia, a queda do lucro, que passou de R$ 120 milhões no primeiro trimestre do ano passado para R$ 46 milhões neste ano, não representou problemas no"vigor financeiro"da Net, mas refletiu os impactos contábeis do período.

"As despesas com juros são maiores, agora temos dívidas que não tínhamos", afirmou a jornalistas o vice-presidente Financeiro e de Relações com Investidores da Net, João Elek.
O executivo explicou que a empresa emitiu no ano passado um título de dez anos, no valor de US$ 350 milhões. Os efeitos negativos desta dívida no primeiro trimestre alcançaram R$ 12 milhões."Tenho a visão de que este patamar deve se manter, mas muitas vezes conseguimos repactuar com os credores, reduzir taxas", projetou Elek.

Hoje o perfil da dívida da Net é de 43% em moeda local e 57% em moeda estrangeira, com vencimentos mais a longo prazo,"o que permite a liberação de capital para os projetos de crescimento", segundo o executivo.
O câmbio foi outro fator de pressão sobre os resultados da empresa. Nos três primeiros meses do ano, foi registrado um impacto negativo proveniente da variação cambial de R$ 29 milhões, sendo que no ano passado, tinha sido da ordem de R$ 6 milhões positivos.

O balanço da Net revelou hoje que o resultado financeiro da empresa ficou negativo em R$ 76,6 milhões entre janeiro e março de 2010. Um ano antes, foi negativo em R$ 32,3 milhões. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) ficou em R$ 369 milhões, superando em 30% o verificado no primeiro trimestre de 2009. A margem Ebitda saiu de 26% para 29%, no período.

Mesmo diante dos dados, a Net afirma que não tem perdido para a concorrência."Continuamos fortes e competitivos. Onde já temos presença, não acreditamos em queda de market share", afirmou o presidente da Net, José Antônio Felix.
Para o executivo, o crescimento das concorrentes ocorrem, em sua maioria, nas regiões Norte e Nordeste, áreas onde a Net não é atuante.
"Apesar de as empresas competidoras estarem crescendo, crescem em áreas em que não concorremos com eles", disse Felix. Os últimos dados de participação disponíveis, do quarto trimestre do ano passado, mostram que companhia tinha uma participação de 51% no mercado nacional de TV por assinatura.

Quando questionados com relação à queda das adições líquidas, os executivos afirmaram que os cancelamentos dos serviços da Net ocorrem por diversos fatores, como mudança de região por parte dos assinantes, falta de pagamento, mas pouco é devido à concorrência. Segundo eles, as vendas no mês de março já se recuperaram aos níveis do início de 2009.
Para este ano, a companhia prevê investimentos de R$ 1,2 bilhão, que deverão ser empregados na expansão da rede (cerca de R$ 200 milhões), compra de equipamentos para instalação, manutenção e crescimento da base dos clientes.
"Nos próximos trimestres, os recursos devem ser voltados mais para a expansão", disse Elek. No primeiro trimestre, dos R$ 161 milhões investidos pela companhia, 72% foi destinado à ampliação da base de clientes.

(Vanessa Dezem | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host