UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

28/04/2010 - 13h44

Qualidade do crédito das empresas tem leve melhora no trimestre

SÃO PAULO - A qualidade do crédito das empresas apresentou ligeira melhora no primeiro trimestre do ano, com uma alta de 0,02% contra os últimos três meses de 2009, atingindo o patamar de 95,52. O indicador, mensurado pela Serasa Experian, varia de zero a 100. Quanto maior, melhor a qualidade de crédito, o que significa que é menor a possibilidade de inadimplência.

Apesar da melhora observada no primeiro trimestre, a qualidade de crédito das empresas brasileiras ainda não retornou ao patamar que era observado antes da crise.

Para os economistas da Serasa Experian, a recuperação ainda gradual da qualidade do crédito está atrelada ao processo de normalização da oferta de crédito às empresas, com a retomada do crescimento econômico.

Ainda segundo os analistas, deveremos presenciar, ao longo dos próximos meses, redução dos índices de inadimplência das empresas, uma tendência que se iniciou ao final de 2009.

Na análise por porte, as micro e pequenas empresas registraram o maior avanço na qualidade do crédito, no primeiro trimestre, com aumento de 0,2% em relação aos últimos três meses de 2009, para o patamar de 95,18. A Serasa explica que isso se deve à menor exposição das companhias desse porte ao mercado externo e ao aquecimento do mercado doméstico. No entanto, elas continuam sendo a categoria a oferecer maior risco de inadimplência. Já as grandes empresas registraram queda de 0,1% no indicador, ficando com 98,39, ao passo que, entre as médias, houve estabilidade no patamar de 98,48. Por sua vez, na análise por setores, verifica-se que a qualidade de crédito avançou tanto no comércio, com ligeiro ganho de 0,08%, quanto em serviços (alta de 0,02%). No setor industrial, porém, houve retração de 0,04%. Os economistas da Serasa explicam que a maior exposição da indústria ao mercado externo e a valorização cambial prejudicaram o setor.

Vale notar ainda que o comércio, que vinha apresentando uma qualidade de crédito inferior à indústria, igualou-se a este último setor no primeiro trimestre, ficando no patamar de 94,38. O setor que apresenta menor risco de inadimplência continua a ser o de serviços, com um nível de qualidade de crédito de 96,16.

Por fim, na análise por regiões, a Serasa nota que, no período, as regiões menos desenvolvidas registraram os avanços mais significativos no indicador. É o caso do Centro-Oeste (+0,09%), do Nordeste (+0,08%) e do Norte (+0,02%). Mas essas regiões seguem abaixo da média nacional, de 95,52.

(Karin Sato | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host