UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/05/2010 - 09h45

Cautela deve voltar a predominar na abertura da Bovespa

SÃO PAULO - A cautela deve voltar a prevalecer na abertura dos negócios desta segunda-feira na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). A indicação vem do Ibovespa futuro que, há pouco, recuava 0,33%, para 60.260 pontos.

Na sexta-feira passada, depois de seis dias de queda, a Bolsa conseguiu um respiro e retomou os 60 mil pontos - o Ibovespa subiu 3,55%, aos 60.259 pontos, com giro financeiro de R$ 6,523 bilhões. Na semana, entretanto, o índice acumulou queda, de 4,97% e, no mês, baixa de 10,77%.

Em Wall Street, após três quedas seguidas, o índice Dow Jones subiu 1,25% no último pregão, aos 10.193,39 pontos, enquanto o Nasdaq teve valorização de 1,14%, para 2.229,04 pontos, e o S & P 500 se apreciou em 1,50%, aos 1.087,69 pontos.

No início desta semana, na Europa, não foram divulgadas medidas de proteção ao euro. A novidade partiu apenas do Reino Unido, onde o ministro das Finanças, George Osborne, anunciou uma redução de gastos de mais de 6 bilhões de libras.

Osborne afirmou que a medida inclui 2 bilhões de libras em programas, fornecedores e equipamentos de Tecnologia da Informação (TI), 700 milhões de libras em recrutamento e 500 milhões de libras em despesas de "baixo valor".

Nos Estados Unidos, a agenda é esvaziada, com destaque apenas para os dados de vendas de imóveis usados.

Pela manhã, as bolsas europeias e os índices futuros americanos operavam no vermelho.

Já na Ásia, as bolsas fecharam em alta, com exceção do mercado japonês, cujo índice Nikkei 225 teve recuo de 0,27%, aos 9.758,40 pontos. No sentido contrário, o Shanghai Composite, de Xangai, subiu 3,48%, para 2.673,42 pontos, e o Hang Seng, de Hong Kong, marcou valorização de 0,62%, para 19.667,76 pontos. Em Seul, o Kospi apresentou alta de 0,30%, ficando em 1.604,93 pontos.

No setor corporativo, a siderúrgica CSN informou na sexta-feira que garantiu com o Banco do Brasil (BB) a contratação de um financiamento à exportação de R$ 2 bilhões. De acordo com a empresa, o empréstimo tem prazo final de amortização de oito anos.

No balanço do primeiro trimestre deste ano, a siderúrgica reportou uma dívida líquida de R$ 6,6 bilhões, montante 56% superior à geração de caixa em um ano.

A companhia prevê exportar 32 milhões de toneladas de minério de ferro neste ano, acima das 22,4 milhões de toneladas de 2009.

No mercado de câmbio, a moeda americana iniciou a jornada em leve alta, mas, há pouco, operava estável, cotada a R$ 1,861 na venda. Já o contrato futuro de junho avançava 0,35%, para R$ 1,8635.

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host