UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/05/2010 - 18h37

Crise na Europa não deverá ter forte influência no Brasil, diz FMI

SÃO PAULO - O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, afirmou nesta terça-feira que a crise na Europa não deverá abalar a economia brasileira. "Tudo depende de como a situação prosseguirá, mas até agora, acho que (a crise na Europa) não terá muita influência sobre o Brasil", disse. Segundo afirmou a autoridade, o câmbio pode ser um fator de preocupação, pois a desvalorização da moeda comum europeia pode prejudicar a competitividade externa dos produtos nacionais. "Mas não deverá ser muito grande (os efeitos do câmbio sobre a economia)", ponderou o dirigente do FMI.

Quando questionado sobre a possibilidade de um superaquecimento da economia brasileira, a autoridade confirmou que o nível de 7% ou mais de expansão no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil pode representar um risco, o que exigiria medidas restritivas para amortecer o avanço. "Mas o governo está completamente consciente disso", garantiu Strauss-Kahn.

Ele lembrou que um crescimento mais contínuo na faixa dos 7% não seria algo tangível, dado que, para tanto, o Brasil teria que ampliar seu potencial de crescimento, principalmente por meio da ampliação dos investimentos em pesquisa e educação. "O máximo de crescimento que vemos hoje é algo em torno de 5%", concluiu o dirigente do FMI, que esteve presente nesta tarde em evento no Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT).

(Vanessa Dezem | Valor) European economia e brasil economia - difenetes canais que pode atingir no Brasil = comércio e credito Até agora, acho que não terá muita influência no Brasil do que está acontecendo na Europa. O baixo crescimento da Europa - pode acontecer depende de ocmo a situação na Europa vai continuar Only maybe sobre o valor da moeda - o euro afetar a competitividade externa dos produtos do Brasil, mas não deverá ser muito grande 4,5% - 5% - não haverá problema para o Brasil - 7% ou mais - risk overheating - o governo está totalmente consciente disso. e eles já reagiram Se subir muito pode voltar aos 5%, o que é grande para uma economia em crescimento como o Brasil - Brasil não sofreu muito com a crise, o mais porque busget policy, monetary policy. Espera que seja 7% é que as pessoas esperam "neste ano é provavelmente o que seria esperado, mas não acredito que que o Brasil cresça muitos anos 7%. para fazer isso, teria que ampliar o potencial de crescimento, com crescimento em pesquisa e educação. O máximo crescimento que vemos hoje em dia é algo em torno 5%. Se chegar a 7%, terá um superaquecimento e vc tem que esfriar esse aquecimento e voltar para 5%

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host