UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

26/05/2010 - 09h41

Bovespa deve ensaiar recuperação no início do pregão

SÃO PAULO - Passados dois pregões de perdas, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) deve buscar uma recuperação no início da jornada desta quarta-feira. A sinalização vem do Ibovespa futuro que, há pouco, subia 1,39%, para 60.280 pontos.

Ontem, diante do aumento dos atritos entre as Coreias do Norte e do Sul e das preocupações com o sistema financeiro espanhol, o Ibovespa acompanhou a trajetória externa e fechou em baixa. O índice teve queda de 1,22%, aos 59.184 pontos, com giro financeiro de R$ 6,884 bilhões.

Nesta jornada, o investidor deve voltar as atenções para indicadores da economia americana, principalmente os referentes aos pedidos de bens duráveis e venda de novos imóveis, ambos referentes a abril.

Além disso, os agentes estão na expectativa da reunião entre o secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, e o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet.

Pela manhã, as bolsas europeias operavam no azul, assim como os índices futuros americanos. Na Ásia, o mercado registrou valorização.

No cenário corporativo, a Petrobras revelou ontem que produziu média diária de 2,598 milhões de barris de óleo equivalente (BOE) em abril, 3,2% acima dos 2,519 bilhões de BOE de igual período de 2009. O volume de abril também foi 1,7% maior que os 2,556 milhões de BOE produzidos em março.

No Brasil, a produção de óleo e gás da estatal no mês passado foi de 2,356 milhões de barris de óleo equivalente por dia, 3,1% a mais que em abril de 2009 e 2,1% acima da produção de março deste ano. A produção exclusiva de petróleo no Brasil foi de 2,032 milhões de BOE por dia, 2,9% a mais que em abril de 2009 e 1,9% acima de março deste ano.

A estatal ainda comunicou a descoberta de duas novas acumulações de óleo leve em reservatórios do pós e do pré-sal na Bacia de Campos.

Caso a ligação entre as duas acumulações se confirme, o volume conjunto recuperável pode chegar a 360 milhões de barris de óleo equivalente, afirma a Petrobras.

No mercado de câmbio, depois de dois dias de apreciação, a moeda americana iniciou a jornada em queda superior a 1%. Há instantes, o dólar comercial recuava 1,55%, cotado a R$ 1,839 na venda. Já o contrato futuro de junho declinava 1,78%, para R$ 1,840.

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host