UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

31/05/2010 - 11h18

Meirelles diz que Brasil já retirou a maioria das medidas anticrise

SÃO PAULO - O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse hoje que o país já reverteu a maior parte das medidas anticrise. Segundo ele, a elevação da taxa básica de juros na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) mostra que a política monetária está em um novo ciclo, como resultado da estabilidade macroeconômica conquistada após mais de uma década.

Durante um evento organizado pela revista Exame, Meirelles defendeu os resultados obtidos com a política baseada na austeridade fiscal, controle da inflação e câmbio flutuante, e acrescentou que a redução das expectativas inflacionárias permitiu uma contração dos juros de mercado.

"O Brasil mostrou como reagir à crise", afirmou Meirelles durante apresentação no evento. Ele comentou os pontos que fizeram do modelo brasileiro um exemplo para o resto do mundo. Meirelles disse que o país adotou também medidas de estímulo fiscal, como a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

"Na medida em que se restabelece a funcionalidade dos mercados financeiro e de crédito, que foram a origem da crise, a alavancagem dos estímulos fiscais aumenta muito", disse.

Mais tarde, em entrevista a jornalistas, Meirelles apontou que a responsabilidade macroeconômica ampliou o potencial de crescimento do Brasil. Também fez algumas considerações sobre a crise fiscal na Europa, que, segundo o presidente do BC, é "objeto de preocupação de todos".

"Não há dúvidas de que observamos com muita atenção o desenvolvimento desse processo", afirmou o mandatário, referindo-se às medidas adotadas por governos e bancos centrais da Europa ante as turbulências no continente. Meirelles também disse que as críticas do pré-candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, à atuação da autoridade monetária, fazem parte do debate eleitoral. Ele também apoiou a discussão sobre a autonomia do BC durante a campanha à presidência deste ano. "É um debate legítimo e bem-vindo." (Eduardo Laguna e Francine de Lorenzo | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host