UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

04/06/2010 - 11h58

DIs mais longos reduzem prêmios de risco na BM & F

SÃO PAULO - Sem indicadores divulgados no Brasil, os contratos de juros futuros têm uma jornada de menor liquidez. Além de muitos agentes terem emendado o feriado de Corpus Christi, há pouca oscilação nos vencimentos, com os mais longos reduzindo prêmios de risco na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F).

Por volta das 12h, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em julho de 2010 registrava alta de 0,025 ponto percentual, a 9,95%, enquanto o contrato de outubro do mesmo ano subia 0,01 ponto, para 10,61%. Já janeiro de 2011, referência de mercado, tinha queda de 0,02 ponto, a 10,96%.

Entre os longos, o DI para janeiro de 2012 caía 0,03 ponto, a 11,88%. Janeiro 2013 recuava 0,05 ponto, projetando 12,07%, e janeiro 2014 diminuía 0,02 ponto, apontando 12,12%.

Apesar da proximidade da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que acontece nos dias 8 e 9 de junho, a expectativa praticamente unânime do mercado de uma elevação de 0,75 ponto da Selic, para 10,25%, tem deixado o mercado mais calmo.

Em relatório enviado ao mercado, o estrategista-chefe do Banco WestLB do Brasil, Roberto Padovani, assinala que, mais que o aumento dos juros, amplamente esperado, "o Banco Central poderá indicar um novo balanço de riscos, abrindo a porta para um ciclo de menor aperto".

Embora avalie que o BC deve manter o ritmo de aperto, o banco assinala que, ao mesmo tempo, a instituição deve dar sinais de que os riscos inflacionários estão se reduzindo, contribuindo para coordenar as expectativas e abrindo espaço para um ciclo de alta menor. Entre os aspectos analisados pelo banco, está a avaliação de que a reorientação das políticas fiscal e monetária adotadas começa a alcançar a economia; que a a inflação dá sinais de desaceleração, já que o fim do choque de preços agrícolas contribui para taxas mensais menores; e a perspectiva de que um novo choque de commodities parece um cenário pouco provável.

O WestLB estima duas altas de 0,75 ponto percentual da Selic, em junho e julho.

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host