UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

11/06/2010 - 11h28

DIs sobem pelo quarto dia na BM & F

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros marcam o quarto pregão seguido de alta na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F). Em pauta, hoje, o comportamento dos preços no atacado. A primeira prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) saltou de 0,47% em maio para 2,21% agora em junho.

No entanto, tal comportamento da curva não pode ser creditado ao IGP-M. Segundo o economista-chefe da Máxima Asset, Elson Teles, tal comportamento do índice é pontual e reflete o comportamento de dois itens, minério de ferro e mão de obra em São Paulo.

"São efeitos previsíveis e tal comportamento do índice também tem relação com a metodologia da FGV", explica, Teles, que trabalhava com avanço de 1,90%.

Segundo o especialista, apenas a variação de preço do minério de ferro respondeu por 1,84 ponto percentual do índice. Já a mão de obra, em função do reajuste do setor de construção em São Paulo, fez outro 0,18 ponto percentual. Ou seja, 2 pontos percentuais da inflação são desses itens.

"De forma alguma devemos ver novas leituras como essa", diz Teles, apontando que o índice vai perdendo força ao poucos até o fechamento do mês.

Ainda de acordo com o economista, esse ruído na inflação no atacado não muda a expectativa de IGP-M para o ano. Essa alta de minério já está na conta e o indicador deve encerrar o calendário na linha de 8% a 9%.

Olhando agora a curva futura, Teles acredita que o movimento de alta nos contratos está relacionado à reformulação das apostas com relação à condução da política monetária.
Com a confirmação de uma nova alta de 0,75 ponto na Selic, que passou a 10,25% na quarta-feira, o cenário mais provável - sem uma quebra do euro, claro - levaria o BC a manter o ritmo de ajuste. "O mercado volta ao cenário base de ajuste e soma o prêmio de risco", conclui.
Por volta das 11h20, na BM & F, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em julho de 2010 marcava estabilidade, a 10,13%. Agosto de 2010 não era negociado. Enquanto janeiro de 2011, referência de mercado, aumentava 0,03 ponto, a 11,13%.

Entre os longos, o DI para janeiro de 2012 acumulava 0,05 ponto, a 12,08%. Janeiro 2013 avançava 0,05 ponto, projetando 12,28%. E janeiro 2014 também subia 0,05 ponto, apontando 12,30%.

(Eduardo Campos | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host