UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

15/06/2010 - 14h50

Bolsas europeias seguem no embalo e sobem pelo quinto pregão seguido

SÃO PAULO - As bolsas europeias registraram a quinta alta consecutiva nesta terça-feira, algo que não acontecia há três meses, impulsionadas por indicadores da região. O rebaixamento da nota da Grécia pela Moody´s, ontem após o fechamento dos mercados, já era esperada e não causou maiores impactos.

Em Londres, o FTSE 100 subiu 0,30%, para 5.218 pontos. Em Paris, o CAC-40 avançou 0,98%, fechando aos 3.662 pontos. Em Frankfurt, o DAX terminou aos 6.175 pontos, com ganho de 0,82%.

Além do rebaixamento da Grécia ao grau especulativo pela Moody´s - a última das três grandes agências de rating a adotar tal medida - os investidores parecem não ter se preocupado muito com indicadores desfavoráveis na região.

A confiança do investidor na Alemanha caiu fortemente em junho, apontou pesquisa do instituto ZEW. O indicador que mede esse sentimento ficou 17,1 pontos abaixo da leitura de maio, passando de 45,8 para 28,7. O organismo observou que os especialistas do mercado financeiro esperam um enfraquecimento da recuperação econômica alemã em direção ao fim do ano.

Já a balança comercial da zona do euro mostrou superávit de 1,8 bilhão de euros em abril. Um ano antes, o saldo positivo foi maior, de 2,6 bilhões de euros. Em março de 2010, o superávit comercial correspondeu a 4,5 bilhões de euros. Na União Europeia, houve déficit comercial em abril, de 10,2 bilhões de euros, mais profundo do que o resultado do quarto mês de 2009, quando o déficit foi de 7,8 bilhões de euros. Em março, o resultado foi negativo em 7,2 bilhões de euros.

Ainda entre os indicadores, pelo menos o número de pessoas empregadas na zona do euro ficou estável no primeiro trimestre deste ano na comparação com os últimos três meses de 2009, segundo a Eurostat. Em relação ao primeiro trimestre de 2009, o indicador de emprego caiu 1,2% na região.

No campo corporativo, o que parece ter animado os investidores na Europa foi a oferta feita pela News Corp, de Rupert Murdorch, para assumir 100% da British Sky Broadcasting por US$ 11,5 bilhões. As ações da companhia inglesa dispararam 17%.

Outro destaque foram os papéis do Societé Generale, que ganharam 3,9%, depois do banco anunciar a meta de obter lucro de US$ 7,3 bilhões em 2012.

(Téo Takar | Valor, com agências internacionais)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host