UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

01/07/2010 - 11h03

Wall Street cai com dados negativos dos EUA e da China

SÃO PAULO - Novos dados negativos dos Estados Unidos e da China reforçam o pessimismo em Wall Street nesta quinta-feira. Já no início do pregão, as bolsas americanas registravam queda, reagindo também à informação de que a agência de classificação de risco Moody´s vai revisar sua avaliação de risco da Espanha.

Há pouco, o índice Dow Jones caía 0,14%, para 9.760,27 pontos, enquanto o S & P 500 tinha desvalorização de 0,12%, aos 1.029,47. O índice Nasdaq, por sua vez, recuava 0,16%, para 2.105,85 pontos.

O Departamento do Trabalho americano informou nesta manhã que os novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos somaram 472 mil na semana terminada no dia 26 de junho, um aumento de 13 mil em relação à leitura da semana anterior, de 459 mil. Na média das quatro últimas semanas, houve acréscimo de 3,250 mil solicitações, para 466,5 mil. A expansão nos pedidos do benefício preocupa ao evidenciar a dificuldade do país em gerar empregos. Na China, os dados da atividade manufatureira, divulgados nesta quinta-feira pela Federação de Logística e Compra da China e pelo Escritório Nacional de Estatísticas, apontam redução no ritmo de crescimento da economia.

Pelo segundo mês consecutivo houve desaceleração no Índice de Gerentes de Compra (PMI, na sigla em inglês), que caiu de 53,9 em maio para 52,1 em junho. O indicador vem se aproximando da marca 50, que separa a expansão da contração da atividade.

O Índice de Gerentes de Compra do HSBC para a China, também recuou, saindo de 52,7 em maio para 50,4 em junho, o nível mais baixo em 14 meses.

Também contribui para o mal humor do mercado a decisão da Moody´s de revisar sua avaliação da dívida soberana espanhola, podendo reduzir sua nota de crédito em até dois níveis. Dentre as três principais agências de classificação de risco do mundo, a Moody ' s é a única que ainda não revisou o rating da Espanha.

A Fitch e a Standard & Poor´s já rebaixaram a nota de risco do país, levando em consideração a deterioração de sua situação fiscal.

(Francine De Lorenzo | Valor, com agências internacionais)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host