UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

19/07/2010 - 12h39

Demanda das empresas por crédito recua 0,7% em junho, diz Serasa

SÃO PAULO - A demanda das empresas brasileiras por crédito recuou 0,7% em junho na comparação com o mês anterior, informou hoje a Serasa Experian. Na avaliação dos economistas responsáveis pela pesquisa, a Copa do Mundo e o processo de desaquecimento econômico constatado nos últimos meses foram responsáveis pela terceira queda consecutiva da procura por financiamento.

Na análise por setor, as companhias do ramo comercial lideraram a queda da demanda por crédito em junho, registrando recuo de 1,5%. Já as empresas do segmento industrial e de serviços procuraram instituições financeiras em junho, e apresentaram elevação no indicador de 0,7% e 0,2%, respectivamente. No acumulado do primeiro semestre do ano, a demanda das empresas por crédito avançou 9,4% em relação ao período de janeiro a junho do ano passado. Em sua pesquisa mensal, a Serasa leva em conta uma amostra de 1,2 milhão de CNPJ.

(Ana Luísa Westphalen | Valor) Copa contribui para a 3ª queda consecutiva da demanda das empresas por crédito, aponta Serasa Experian Recuo foi puxado pelas micro e pequenas empresas São Paulo, 19 de julho de 2010 - De acordo com o Indicador Serasa Experian da Demanda das Empresas por Crédito, a quantidade de empresas que procurou crédito recuou 0,7% em junho na comparação com o mês anterior (maio de 2010), a terceira queda mensal consecutiva. Em relação a junho de 2009, a demanda das empresas por crédito avançou 3,0%, o menor crescimento anual dos últimos cinco meses. No acumulado do primeiro semestre de 2010, a demanda das empresas por crédito avançou 9,4% sobre o período acumulado de janeiro a junho de 2009.

Segundo os economistas da Serasa Experian, a Copa do Mundo e o próprio processo de desaquecimento, que vem caracterizando o ritmo da atividade econômica nestes últimos meses, contribuíram para a diminuição da procura por crédito por parte das empresas no mês passado.

Análise por porte Na classificação por porte, as micro e pequenas empresas foram responsáveis pela queda na procura das empresas por crédito no mês de junho, recuando 0,7% em relação a maio/2010. A procura por crédito das médias empresas caiu 0,5% no mês passado e, das grandes empresas, o recuo foi de 0,2%.

No acumulado do primeiro semestre, as grandes empresas lideraram a procura por crédito, avançando 13,3% na comparação com o primeiro semestre de 2009. As micro e pequenas empresas também exibiram crescimento bastante razoável em relação ao período acumulado de janeiro a junho de 2009 (alta de 10,5%). Já as médias empresas registraram recuo de 8,3%, já que muitas delas são empresas exportadoras e que, por isto, ainda encontram um mercado externo ainda bastante fragilizado.

Análise por setor As empresas do setor comercial lideraram queda da demanda por crédito em junho, registrando recuo de 1,5% frente a maio de 2010. As empresas industriais e de serviços seguiram em direção oposta, avançando 0,7% e 0,2% as suas demandas por crédito, respectivamente.

No acumulado do primeiro semestre de 2010, as empresas do setor comercial, com alta de 10,3%, encerraram na liderança da procura por crédito. Logo em seguida figuraram as empresas de serviços com variação acumulada de 9,2%. Por fim, a maior exposição do setor industrial ao cenário externo fez com que este setor terminasse na lanterna da procura por crédito no primeiro semestre de 2010 (6,2% de crescimento).

Análise por região As regiões Nordeste (-1,9%) e Sudeste (-1,9%) concentraram a queda da procura das empresas por crédito no mês de junho. No Norte (+0,7%) e no Sul (+0,6%), o crescimento da demanda empresarial por crédito foi praticamente o mesmo. O destaque ficou por conta da região Centro-Oeste que expandiu a sua demanda empresarial por crédito em 5,1% no mês passado.

No acumulado do primeiro semestre de 2010, as regiões Nordeste e o Centro-Oeste (altas de 13,7% e 13,1%, respectivamente) terminaram na liderança da procura por crédito por parte de suas empresas. As Regiões Norte e Sudeste exibiram crescimentos menos intensos no acumulado dos primeiros seis meses de 2010 (variações positivas de 10,1% e 8,9%, respectivamente). A Região Sul, com elevação de apenas 6,0%, ocupou a última posição em termos da evolução da procura de suas empresas por crédito neste primeiro semestre de 2010.

Metodologia do indicador Construído a partir de uma amostra significativa de CNPJs, cerca de 1,2 milhão, consultados mensalmente na base de dados da Serasa Experian. A quantidade de CNPJs consultados, especificamente nas transações que configuram alguma relação creditícia entre as empresas e instituições do sistema financeiro ou empresas não financeiras, é transformada em número índice (média de 2008 = 100). O indicador é segmentado por região geográfica, setor e porte.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host