UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

20/07/2010 - 14h16

Ibovespa sobe mais de 1% e defende os 64 mil pontos pela 1ª vez no mês

SÃO PAULO - A forte alta registrada pelos papéis do setor de siderurgia e mineração, com destaque para as ações da Vale, segue favorecendo o desempenho da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) no pregão desta terça-feira. Pela primeira vez no mês, seu principal índice opera na linha dos 64 mil pontos.

Por volta das 14h15, o Ibovespa subia 1,32%, aos 64.130 pontos, e girava R$ 4,608 bilhões.

Já em Wall Street, as bolsas permanecem no vermelho, diante de balanços corporativos mais fracos que o esperado, reportados por empresas como Goldman Sachs e IBM.

Minutos atrás, o índice Dow Jones cedia 0,67%, enquanto o Nasdaq recuava 0,75% e o S & P 500 apurava queda de 0,40%.

No mercado acionário brasileiro, as ações de maior peso sobre o Ibovespa dão força para sua valorização. Destaque do dia, Vale PNA se apreciava em 5,06%, a R$ 40,45, com o expressivo volume financeiro de R$ 1,595 bilhão. Já os papéis Vale ON avançavam 4,72%, para R$ 46,13, com giro de R$ 152,2 milhões.

O analista responsável pelo setor de siderurgia e mineração do BES Securities, Juliano Navarro, avalia que tanto as prévias referentes ao balanço do segundo trimestre da Vale, como algumas declarações dadas por um executivo da Vale hoje estão impulsionando as ações.

O diretor de vendas de minério de ferro para as Américas da Vale, Cláudio Alves, afirmou que a empresa acredita que os preços do minério de ferro no mercado spot da China sofrerão uma recuperação no quarto trimestre, depois de terem registrado uma acomodação no terceiro trimestre.

O executivo ainda revelou que os atuais preços de venda da mineradora nos contratos de longo prazo, reajustados trimestralmente, estão acima dos valores registrados no mercado à vista chinês. O executivo considera que a atual acomodação nos preços é sazonal, depois de o minério spot na China ter atingido US$ 187 por tonelada em maio. Atualmente, esse preço oscila ao redor de US$ 116 por tonelada, mas Alves não quis fazer projeções sobre o nível de recuperação que poderá ser atingido nos três últimos meses do ano.

"O balanço da Vale deverá ser bom, mas não deverá surpreender o mercado. Temos que acompanhar o preço spot do minério, que tem caído bastante nas últimas semanas, para ver se ele se acomoda, uma vez que será o balizador do preço do contrato do quarto trimestre", comentou Navarro, do BES.

O analista observa que os papéis da Vale estão bem "descontados", já que o curto prazo tem sido afetado pelas notícias macroeconômicas da China e da Europa.

"Quando olhamos o médio e o longo prazo, os fundamentos continuam fortes, a perspectiva segue muito positiva para este mercado, apesar dessa volatilidade recente", pontuou o analista, que recomenda a compra dos papéis da Vale.

Há pouco, além das ações da mineradora, figuravam entre as principais altas do Ibovespa Bradespar PN (5,43%, a R$ 34,16), Usiminas ON (4,36%, a R$ 51,67) e CSN ON (4,15%, a R$ 27,32). Já os papéis PN da Petrobras tinham ganhos de 2,04%, a R$ 27,50, com giro de R$ 272,6 milhões.

Na ponta oposta, destaque negativo para as ações do setor de construção, que têm aparecido com frequência na lista de principais ganhos do Ibovespa no cenário mais recente.

Há pouco, enquanto PDG Realty perdia 2,71%, a R$ 17,17, Rossi ON cedia 3,66%, a R$ 14,98, e MRV ON recuava 4,03%, a R$ 14,50.

(Beatriz Cutait | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host